No Café da Manhã com Poesia: Menina indecisa


Magno Oliveira atualmente repórter cultural, colunista esportivo, blogueiro reponsável pelo blog Folhetim Cultural. Junto com o radialista Bruno Martins criou o Blog Folhetim Cultural e todo sábado escreverá No Café da Manhã Com Poesia.




Contatos: (011) 7170-8740
bemblogs@hotmail.com
Siga me no twitter @oliveirasmagno ou twitter.com/oliveirasmagno

Menina indecisa


Você pensa demais...
Para fazer.
Fica com medo de arriscar...
E se perder.
Quando decidi acha ser tarde demais,
Você se esquece, que nunca é tarde para arriscar.
Faça o que eu digo, mas não faça como faço.
Se lançe ao mar
Não tenha medo de amar,
Não fique pensando muito para tentar.
Não negue um carinho, um abraço.
Se está ruim para de reclamar
Tente mudar!

Comentários

  1. Penso que conseguiu convence-la, sorte da menina inspirar a bela escrita, espero que saiba nadar.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    Que lindo poema!!! Hà menina indecisa, tem que sair "de cima do muro", rsrsrs.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. A indecisão é uma coisa terrivel que faz da pessoa um ser angustiado.É um querer não querer muito cahto mesmo.Mas a arte esta aí para ser explorada e assim um poema para a menina indecisa,mas amada.Meu abraço.

    ResponderExcluir
  4. Olá a todos esta obra é de minha autoria fico feliz que tenhas gostado sempre aos sábados ás 9 horas da manhã eu estarei aqui com esta coluna poética mostrando um pouco de meu trabalho, espero poder contar com sua visita preciosa. Sucesso em seu espaço. Magno Oliveira Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno Telefone: 55 11 61903992 E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo