Folhetim Cultural Conheça os três vencedores do concurso de marchinhas




Esta semana o folhetim cultural saiu às ruas de Santa Isabel para encontrar os campeões do primeiro concurso de marchinhas realizado na cidade no último carnaval.
A terceira colocada foi à bela e simpática Bruna Arantes que com a sua marchinha “Tô nem ai” faturou o prêmio de quinhentos reais. A isabelense é filha de Mário Arantes mais conhecido por todos como “Marinho” ele é proprietário da padaria Mineira e foi o vencedor do concurso.
Bruna é formada em direito, porém prefere a vida no comércio tanto que recebeu ele Magno Oliveira o nosso representante legal que os nossos leitores adoram. Numa conversa muito legal e agradável, ela se dividia entre os clientes e o nosso repórter, mas deu conta do recado com muito charme e muita atenção.
Ela pediu para os organizadores mais atenção na fiscalização já que era permitido somente marchinhas e isso em alguns momentos não foi respeitado. Bruna deu nota seis para o carnaval deste ano e deixou um recado para os foliões: “Ano que vem terá mais.”
Fomos atrás do segundo colocado José Raimundo ele é cabeleireiro e tem um salão no centro da cidade. “Marcha do catchanga” foi à marchinha escrita pelo folião numa homenagem a um amigo. Ele deu nota oito para o carnaval da cidade. Em nota José Raimundo disse que há espaço para fazer carnaval com blocos de carnaval, escolas de samba e marchinhas só é necessário que haja união de ambas as partes e respeito pelo espaço do outro.
José Raimundo nasceu em Minas Gerais, porém veio para a cidade, ainda pequeno, por isso, se considera um cidadão isabelense, ele já teve uma escola de samba e é folião nato.
E agora é a vez dele o campeão, o herói que há anos lutou para trazer o carnaval de marchinhas para Santa Isabel. Proprietário da Padaria Mineira Marinho é um amante assumido da cidade de Santa Isabel e Igaratá, líder do bloco “Boi – Olá” há dez anos, Marinho acha que a atitude da cidade de mostrar o carnaval de marchinhas é uma boa iniciativa para atrair turistas, embora cobrou um pouco de reconhecimento das autoridades competentes. “Não queremos dinheiro mais um obrigado ao menos seria bom” completa Marinho.
Compositor de marchinhas que são reconhecidas pelos isabelenses como a da folia do Boi – Olá. Marinho sempre escreveu embora este ano teve um maior reconhecimento do público com o anuncio dos meios de comunicação que tornaram o concurso algo reconhecido e bem comentado entre os isabelenses. Sorridente disse que o prêmio em dinheiro é algo que incentiva os foliões e atrai até mesmo a disputa entre eles.
A nota do Marinho para o primeiro carnaval de marchinhas da história de Santa Isabel que depois de incessantes lutas aconteceu, não poderia ter sido outra Seis (6). Não há mais nada a ser dito.
O Folhetim Cultural agradece aos foliões Mario Arantes, José Raimundo e Bruna Arantes que solícitos atenderam nossos pedidos e cederam uma entrevista aos repórteres, Magno Oliveira e Bruno Martins. Isso mostra que o trabalho realizado pelo Folhetim Cultural é sério e que não importa a distância, aonde estiver a cultura o Folhetim Cultural também estará.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo