Sentires poético por Ianê Mello


Nascida no Rio de Janeiro (RJ). É educadora, pós-graduada em Pedagogia e Orientadora Educacional. Identificada com as diversas propostas em textos literários. Seus textos incluem contos, crônicas, aforismos, haicais e poesias. Alguns deles são publicados na internet, em sites, blogs e revistas eletrônicas. Escreveu um livro de contos  "Rocktales - Contos do Rock" com o escritor Beto Palaio, a ser publicado em breve.




O Ato Da Criação

Poemas, por Ianê Mello 



O POEMA

Poema
quando surges
urges urgências
imediatas
és apressado e deslizas
em palavras
que escorrem
no papel
Inexatamente exato
és perfeito
imperfeito sendo
pois que de pouco
muito se torna
e do muito
faz-se um nada

Poema
és alma lavada
purificada em pranto
Poema és sujo
nas palavras coloridas
em sangue
nas quais te embriagas
e te deleitas

Poema
és rarefeito
quando ar te falta
e ter perdes no vazio
Poema
és sombrio
quando turvado na dor
e te banhas em lágrimas

Poema
simplesmente és
a turbulência do momento
em que aconteces
ou a calmaria
de que por ventura padeces

Poema
simplesmente és
tempo e memória

LOUCOS POETAS

"A diferença entre um poeta e um louco é que o
poeta sabe que é louco...
Porque a poesia é uma loucura lúcida."

Mario Quintana

Para Mario Quintana

Profundas nossas palavras
que gotejam emoção
como se fossem lavas
de um vulcão em erupção
Viscerais e pungentes
arrancadas de nossa alma
Sentimentos tão urgentes
que necessitam de expressão
e não ponderam a calma
O papel é o veículo
para nossa exortação
O instrumento precípuo
à nossa liberação
Súplicas podem ser
e urgem serem ouvidas
a quem as quiser ler
para que sejam sentidas
Gritam eloquentemente
saltando aos olhos de quem lê
Não há de ser mansamente
que expressaremos o sofrer
Seremos por isso dementes
estando sempre a mercê
de críticas incoerentes?

Nos sabemos loucos
como bem disse Quintana
Nos importarmos pra quê?
Se nossa mente é insana,
a lucidez ... é pra poucos

SENTIR POÉTICO

Escrever é rasgar os véus
Desvendar mistérios ocultos em minh'alma
Desnudar-me de qualquer roupagem
Num livre processo de criação

Ficar nua, alma limpa, exposta
Entregue à fonte que inspira
As palavras a fluírem no branco papel
Linhas do meu interno

Meu mais profundo êxtase
Onde encontro várias faces
E como minhas as reconheço
Próprias de um ser multifacetado

Escrever é transpor fronteiras
Desvelar sentimentos ocultos
Enxergar-me por dentro...
Minha lucidez, minha loucura

Na força da poesia encontro
Alento ao meu intenso sentir
Expressão pura do meu silêncio
No verbo que ganha vida




Comentários

  1. Bela postagem, Magno!

    Ianê é o máximo. Reconhecida por todos nós. Além de poeta é líder.

    Ianê, que lindos poemas escolhestes!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Se a Mirze disse, eu apóio!
    Magno isso aqui está cada vez melhor...

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga Mirze, sempre presente. Sou-lhe muito grata por isso.
    Que bom que você gostou da seleção de poemas!

    Continue por perto...
    Meu carinho.

    ResponderExcluir
  4. Caro Ranzinza, obrigada pelo apoio que tens me dado desde que aqui cheguei.

    Fez-me sentir em casa...só faltaram os bolinhos de bacalhau...rsrs.

    Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”