Fim de Semana Literário: Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado

A partir deste mês o Folhetim Cultural nos fins de semana será dedicado a literatura com postagens de vários autores convidados. Aos sábados ás 10 da manhã Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado é uma das nossas atrações.

Participe desta iniciativa enviando seus textos para publicarmos: folhetimcultural@hotmail.com


Roberto Prado colabora com o Folhetim Cultural desde o início de 2011. Roberto Prado já publicou dois livros pela (CBJE) Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Gringas e Outras Histórias está na segunda edição. Ele também é acadêmico pela Acadêmia de Letras de Teófilo Otoni.

Blog de Roberto Prado: http://blogdonemesis.blogspot.com.br/



O QUE É UMA CRÔNICA?


Crônica, nada é mais fútil, mais importante, mais sem graça, mais cheia de fatos e dados históricos, que uma crônica.

Ela é extremamente datada, mais em poucos anos é importantíssima como fonte de pesquisa de comportamentos. Ela é uma fotografia, que tirada hoje, amanhã está amarelada e desbotada.

Encontrada num arquivo, no futuro, mostra-se radiante como uma pintura à óleo.

A crônica é um inferno quando temos assuntos à mão cheia, e um delicioso desafio quando nos falta assunto, quando olhamos a janela e nada vemos, olhamos para os lados e nada nos surge por milagre, então reviramos gavetas, revemos velhas fotos, esprememos os miolos à busca de velhas memórias, vamos à cozinha tomamos um café, folheamos o jornal de ontem, as revistas de passadas semanas, vamos ao jardim, levamos o lixo para fora, atendemos telefones (com raiva, afinal ele nos dispersou a concentração), lemos velhas cartas, ou os e-mails que nos enchem a caixa, enfim feito fantasmas vagamos, ora com o corpo, ora com a mente pela casa e pelo espaço/tempo.

Então passadas as horas, desesperados, sentamo-nos em frente ao monitor e contamos a miséria que foi o dia de hoje, o “ter de escrever”, e voilá, temos a crônica ali, bonitinha, rindo de nossa cara, de nosso desespero, de nossa aflição, de nossa camisa ensopada de suor.

A crônica é peleja, um medir de forças, em que o vencedor é sempre e sempre o leitor, que recebe essa futilidade, essa falta de assunto, esse divagar sem sentido, esse dado histórico, essa fotografia do dia a dia.

A Crônica é uma razão de viver.


Fim de Semana Literário Sábado

Chá das 5: 5 e 17 horas
No Café da Manhã com Poesia por Magno Oliveira 7 horas da Manhã
Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado 10 da Manhã
Poesia de Beto Ribeiro 15 horas
Poesia de David White 19 horas

12 horas e 21 horas espaço dedicado ao leitor envie seu texto para que ele seja publicado.
Nosso contato: folhetimcultural@hotmail.com

Fim de Semana Literário Domingo

Chá das 5 dominical: 5 e 17 horas
No Café da Manhã com Poesia por Magno Oliveira 7 horas da Manhã
Literatura Nossa homenagem a um grande escritor por Dhyne Paiva ás 10 da manhã
Prosa Literária Magno Oliveira entrevista um convidado especial 19 horas.

12 horas e 21 horas horário reservado para a sua participação envie seu texto para que ele seja publicado.
Nosso contato: folhetimcultural@hotmail.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”