Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado



Roberto Prado, 49 anos Santos, São Paulo.

Publicou dois livros, é funcionário público e todo mês fará sua participação no Chá das 5 aqui no Folhetim. A partir deste sábado, sempre ás 11 horas ele escreverá esta coluna especial.



BYE BYE VERÃO

O clima está como eu gosto. Verão acaba nesse sábado e, para a minha alegria, já está esfriando, esse chuvisco é a promessa de futuros dias lindos.

Sim dias lindos, pois as pessoas passam a ficar civilizadas - quase escrevi MAIS civilizadas - vestem-se melhor, perfumam-se e, até sorriem.

O problema, como sempre, fica nos transportes coletivos, se está calor, o povo entra suado, se chove, fecham as janelas e quem viaja em pé – sei bem o que é isso – sofre com o abafamento e no frio, passamos pelo – literalmente – sufoco, pois, novamente, fecham-se as janelas e uma névoa de embaçamento nos vidros nos cega para o mundo exterior que corre lá fora, nos fazendo muitas vezes descer no ponto errado.

Mas não estou aqui para escrever sobre ônibus, aqui estou escrevendo para comemorar o fim do verão...

Fim do ar-condicionado problemático do serviço, fim do ventilador barulhento, fim do barulho dos bebedores de cerveja nos bares – nada contra a cerveja, tudo contra os barulhentos.

Fim da camisa grudada no corpo, da pele brilhando de suor, nada mais de cumprimentar pessoas com mão úmidas, fim dos maus cheiros que sobem das ruas.

O fim do verão me trás a promessa de uma (curta, bem sei) época de uma afabilidade que nunca será de nossa cultura.

Anseio pelas mulheres bem vestidas!

Ah! A beleza do frio...

Os dias cinza, dos cafés quentes, das sopas, das reuniões com amigos, das cervejas bock (viu, gosto de cerveja. Ok! Não tanto quanto o Vadinho, aquele “Baco dos Trópicos”!), das conversas sem pressa regadas à vinho tinto & queijos, sem ninguém bufando e se abanando com falta de ar e reclamando do calor.

Minha alma é nórdica, não resta dúvida...

Nesses dias frios – ou assim espero que sejam – cutuco meu amigo Silvio perguntando pela sua dacha[1] na Ucrânia e das suas russas -que já delirando - as vemos servindo-nos vodka com caviar do Mar Cáspio...
Se nevasse aqui eu seria feliz, mas me contento com nosso friozinho humilde, pois reclamar não adianta nada e ainda me dá calor...

Verão! Já vais tarde[2]!



[1] Palavra russa que significa: casa fora da cidade; casa de
campo; casa de veraneio
[2] Vá esquentar o Rodrigo, pois aquela pobre alma ainda deve estar com ossos congelados do inverno de Londres!


BYE BYE SUMMEREl clima es como me gusta. El verano termina este sábado y para mi alegría, se está enfriando, la llovizna se trata de la promesa futura de los días hermosos.Sí días hermosos, como la gente comienza a ser civilizados - Más civilizados casi escribió - que se visten mejor, ellos mismos perfumes, e incluso sonreír.El problema, como siempre, es en el transporte público, si hace calor, la gente sudorosa entrar, si llueve, cierre las ventanas y los que viajan a pie - no se sabe muy bien lo que es - es que sufren de asfixia y frío, pasamos por - literalmente - de espera, porque, de nuevo, se cierran las ventanas y una nube de niebla en las ventanas nos impide ver el mundo exterior que corre por ahí, a menudo causando que caigamos en el lugar equivocado.Pero no estoy aquí para escribir acerca de autobús, aquí estoy escribiendo para celebrar el final del verano ...Fin del servicio problemática de aire acondicionado, al final del ventilador ruidoso, por lo que el ruido de los bebedores de cerveza en los bares - nada en contra de la cerveza, todos contra el ruido.Fin de la camisa pegada al cuerpo, la piel brillante de sudor, nada más que la gente se saluda con las manos mojadas, por lo que los malos olores que se elevan desde las calles.El final del verano me lleva a la promesa de un (a corto, lo sé) un tiempo de bondad que nunca estará en nuestra cultura.Anhelo de las mujeres bien vestidas!¡Ah! La belleza del frío ...El día gris, café caliente, las sopas, las reuniones con amigos, cervezas bock (sierra, como la cerveza. Ok! No tanto como Vadinho, que "Baco del Trópico!"), Las conversaciones sin prisas con vino aguado vino tinto y queso, sin que nadie fumando y abanicándose con falta de aire y quejándose del calor.Mi alma es nórdicos, sin duda ...En estos días de frío - o al menos eso espero que sean - Silvio dio un codazo a mi amigo pidiendo su dacha [1] en Ucrania y Rusia-ya su delirante - los vemos nos sirve vodka y el caviar en el Mar Caspio ...Si nevó aquí yo sería feliz, pero estoy satisfecho con nuestro chill humilde, porque no sirve de nada quejarse y todavía me da calor ...Verano! Pronto más tarde [2]!
[1], palabra rusa que significa casa en las afueras de la ciudad, se largará a casa, vacaciones en casa [2] Ve a buscar amigos en caliente, porque el pobre todavía debe estar con los huesos congelados de invierno en Londres!



Roberto Prado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá