Programação ETNOdoc – CineCAL / Janeiro 2014

Programação ETNOdoc – CineCAL / Janeiro 2014

OBS: Os filmes serão exibidos em sequencia sempre às 12h30 e às 18h30 os 
mesmos filmes.
02 de janeiro de 2013 (Quinta-feira)

• Caboclos da Liberdade. Direção de Hermano Penna, 2008, 26’ 12”. Tem 
como tema a manifestação popular Caboclos Guaranis da cidade de 
Itaparica, na ilha de mesmo nome, no Recôncavo Baiano. Durante os 
festejos do 7 de Janeiro, data em que se comemora a expulsão dos 
portugueses da Ilha, o grupo Os Guaranis se apresenta com seus 
atabaques e cantos, arcos e flechas, num espetáculo teatral que evoca a 
história real e as origens míticas desse povo mestiço que habita e domina 
o Recôncavo.

• São Luís dorme ao som dos tambores. Direção de Sergio Sanz, 2008, 
26’ 01”.A capital maranhense é embalada pelos tambores, sejam eles do 
boi ou de crioula, e quem dorme o faz ao som que, atravessando a noite 
inteira, só ao amanhecer se atenua. Se trata de dança profana e religiosa 
(que nas senzalas comemorava a alforria). As belas imagens de São Luís 
e de diversos grupos em ação mesclam-se a pelos depoimentos, sob o 
som dos tambores, naturalmente.

• Trans-bordando. Direção de Kiko Goifman, 2008, 26’ 15”. Retrata a 
vida e a obra da família de bordadeiras Diniz Dumont, integrantes do 
Grupo Matizes Dumont que é hoje uma referência na região de Pirapora, 
norte de Minas Gerais, na beira do rio São Francisco.

• O Barco do Mestre. Direção de Gavin Andrews, 2008, 25’ 49”. O Barco 
do Mestre nos faz viajar pelo universo ribeirinho dos “fazedores de 
barcos” na foz do rio Amazonas. Da comunidade do Elesbão no Amapá 
às cidades de Breves, Vigia e Abaetetuba no Pará – os principais polos 
desse fazer artesanal – , somos apresentados a carpinteiros e mestres 
como o Seu Silas e Grilo, hábeis artesãos e personagens de uma história 
que eles temem estar chegando ao fim.

07 de janeiro de 2013 (Quarta-feira)

• Wamhuire. Direção de Ranisson Xacriabá, 2011, 20’. O filme é o 
resultado da pesquisa do diretor sobre os motivos gráficos usados pelo 
povo Xacriabá.

• O Joaquim. Direção de Marcia Paraíso, 2008, 30’ 15”.Vila do Veiga, 
zona rural do Distrito de Dom Maurício, Quixadá, sertão do Ceará. 

Encravado entre morros vive Joaquim Roseno, 68 anos, seus filhos e 
netos. Vivendo basicamente de sua lavoura de subsistência, ele faz o que 
faziam seus pais, seus avós e bisavós – trabalha na roça, cria galinhas, 
toma Catuaba, canta um farto repertório de músicas, e é mestre/puxador 
de um grupo de Dança de São Gonçalo , ainda dançada como em sua 
origem – encomendada por fiéis como pagamento de promessas feitas ao 
santo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo