"Meus livros contaram histórias de vida", diz Fernando Gabeira‏


O escritor e deputado federal Fernando Gabeira (RJ) esteve na noite de terça-feira (26/7) em Suzano para uma palestra gratuita, realizada no Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi, dentro do projeto “Viagem Literária”, desenvolvido pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Cultura, em parceria com o governo do Estado. Ele contou a sua trajetória como escritor e respondeu a perguntas do público.


Meus livros foram para contar histórias de vida”, resumiu ele, após explicar o contexto em que foram escritas suas obras, como por exemplo o best seller “O que É Isso Companheiro”, sobre a luta armada no Brasil, que vendeu mais de meio milhão de exemplares e foi transformado em filme, que chegou a ser indicado ao Oscar. “Meu trabalho foi de memória, de contar a história tal como eu a vivi”, completou.

Gabeira também falou da importância da sua experiência como jornalista, que antecedeu sua atuação política durante a ditadura militar, para prepará-lo como escritor: “O caminho do jornalismo me deu o compromisso de ser direto”, disse ele, referindo-se ao seu estilo objetivo e simples de escrever.

O escritor contou que sua primeira obra e até hoje a mais conhecida foi escrita durante o período em que viveu na Suécia, durante o exílio. “Escrevi o livro enquanto trabalhava como porteiro de hotel”, revelou.

O autor também contou o contexto em que escreveu outras obras, como “O Crepúsculo do Macho”, uma reflexão sobre o exílio, e “Entradas e Bandeiras”, em que defende a liberdade do corpo, logo após seu retorno ao Brasil.



Nascido em 1941, Fernando Gabeira é mineiro de Juiz de Fora e carioca por opção desde 1963. No início da carreira, destacou-se como jornalista, na função de redator do Jornal do Brasil, onde trabalhou de 1964 a 1968. No final dos anos 1960, ingressou na luta armada contra a ditadura militar. Foi preso e exilado. Em dez anos de exílio, esteve em vários países, como o Chile e a Suécia. Com a anistia, voltou ao Brasil no final de 1979.

Antes da palestra, Gabeira foi recebido pelos secretários municipais Walmir Pinto (Cultura) e Mauro Vaz (Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Negócios e Turismo).

O projeto “Viagem Literária” tem o objetivo de levar escritores para contar sua trajetória ao público, além de divulgar bibliotecas.

Fotos: TAÍS ARANHA/SECOM-SUZANO
Fonte: SECOM (Secretaria de Comunicação de Suzano)
Postagem:Magno Oliveira

Comentários

  1. É pena que depois da experiência da luta armada, Gabeira tenha enveredado por caminhos tão distantes daquele que um dia ele defendeu. São pessoas como Gabeira que fazem as pessoas acreditarem que político é tudo igual.

    Ternura sempre!

    ResponderExcluir
  2. Amo Gabeira. Com tanguinha lilás, com acertos e erros. Ele nunca mudou seus pensamentos. É um militante brasileiro que admiro. Votei e votarei sempre nele.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. A justiça aparece muitas vezes quando escrevemos a verdade.

    Muito bom

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo