Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado Especial


Roberto Prado, 49 anos Santos, São Paulo.

Publicou dois livros, é funcionário público e todo mês fará sua participação no Chá das 5 aqui no Folhetim. E todos os sábados ás 10 horas terá esta coluna especial. Com reprise nas terças feiras ás 20 horas, hoje esta edição é especial.

A pipa
leve
puxa linha
a pipa
no azul do céu
não vê
o vermelho
no asfalto
negro
não vê o cerol
no pescoço
do motoqueiro
morto.

Comentários

  1. Parabéns pelo blog Magno, estou lhe seguindo aqui e no twitter, também.
    Beijos, ótimo domingo

    ResponderExcluir
  2. Oi Magno boa tarde com um poema que fala de tristeza.
    Bj,
    Carla

    ResponderExcluir
  3. Falas da verdade e isto é bom porque nunca lemos muitas verdades...\a vida e o dia a dia

    Bom ter vcs comigo

    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Magno e Roberto poeta!

    É tão difícil entender a criação e o voo da pipa, sua engenharia , a força de puxar, o entender dos ventos. enfim...para mim é uma arte. Agora, o cerol, [invento dos homens] mata, cega e realmente a pipa não vê.

    Parabéns, Roberto!

    LINDO!!!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo