Semana Ailton Sales: Chá das 5: Jandyra


Sou mineiro, nascido na cidade de Poços de Caldas no dia primeiro de março de 1934. Fui engraxate, entregador de loja, cobrador de ônibus (interurbano) e tive o meu primeiro registro em carteira como mensageiro no Palace Hotel saindo depois aos vinte anos já com a profissão de garçom. Hoje escrevo uma vez ao mês ao Folhetim Cultural aqui no Chá das 5.

Nesta semana o Folhetim Cultural homenageia o trovador Ailton Sales.  


Jandyra



Homem eu nasci

Vou falar de mulher
Aquela que nunca esqueci
Que não foi uma qualquer

Ela foi a minha primeira
Ah que saudade me dá
Ao meu lado na carteira
Ensinando-me o B-A BÁ

A professora querida
Com amor e dedicação
Colocando em minha vida
Cada dia uma lição

A sua voz pausada
Transmitindo o seu saber
Toda lição passada
Era fácil de aprender

Morena cor de canela
Sorrindo sempre contente
A simplicidade dela
Cativava toda gente

Digo com toda a franqueza
Na imagem que refletia
O que faltava em beleza
Sobrava em simpatia

Era muito diferente 
O seu jeito de educar
Nunca magoava a gente
Mesmo quando ao castigar

Sua voz conciliadora
Sempre meiga e carinhosa
Não era de professora
Era de mãe amorosa

Essa mulher que eu descrevo
Digo porque não a esqueci
Cada letra que hoje escrevo
Foi com ela que aprendi

Jandyra era o nome dela
Hoje no meu coração
Tem um lugar só para ela
Com a minha gratidão.

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo