Semana Roberto Prado: Chá das 5: Anteontem à noite

Nesta primeira semana de Dezembro o Blog Folhetim Cultural está fazendo uma justa homenagem a este escritor da baixada santista. Roberto Prado colabora com o Folhetim Cultural desde o início deste ano com duas colunas Devaneios do Ranzinza aos sábados e terças feiras e o Chá das 5 uma vez ao mês no sábado e quinta feira. Roberto Prado já publicou dois livros pela (CBJE) Câmara Brasileira de Jovens Escritores.



Anteontem à noite
Escutou um som rascante vindo da porta, olhou e viu um bilhete ser empurrado por baixo dela. Correu para pegar, abriu a porta mas já era tarde demais, a pessoa já havia sumido.
Com o coração disparado abriu o envelope, e mordendo o lábio inferior leu: Eu estava lá na noite retrasada. Vi tudo. Logo entrarei em contato. Nem pense em fugir, sei como encontrá-lo em qualquer lugar.
Sentou-se na poltrona e espremeu os miolos para lembrar-se o que havia feito na noite retrasa. Correu a ver a sua agenda, nada. No seu diário (onde que um homem mantém um diário hoje em dia?), nada.
Recorreu ao orkut, nada.
- Meu Deus o que foi que eu fiz?
Pensou em ligar para Renata. Mas logo deixou a idéia de lado, se havia feito alguma coisa errada, não foi com ela, e se era coisa errada seria bom ela não saber.
Começou a roer as unhas, acendeu um cigarro, e foi à cozinha comer amendoins e conferir a folhinha. Nada estava marcado.
- O que foi que eu fiz??
Foi ao banheiro chorar.
Chorou até ficar com o rosto inchado, os olhos vermelhos e o nariz escorrendo. Voltou à sala, encheu um copo com uísque e sentou-se no sofá para reler o bilhete outra vez...
Revirou o guarda-roupa, olhou os bolsos da calça, da camisa e do blazer, nada. Pensava o que dizer à Renata caso algo lhe acontecesse. Se ele morresse? O que ela iria pensar? Envolvido em drogas? Crimes? Prostituição? Espionagem? Tráfico de escravas brancas para ao Oriente Médio? Pedofilia? Necrofilia?
- Não!! - gritou.
Começava a delirar, deixara-se levar...
Olhava a janela, já considerando atirar-se dela, quando toca a campainha.
 Assustou-se.
Correu a atender a porta. Girou a chave, puxou os três trincos, o pega-ladrão e abriu-a, e um tipo suspeito, de capote, chapéu, óculos escuros e guarda-chuva encarava-o.
Ele tremeu, em sua cabeça passou o filme de sua vida. Reviu toda a sua infância, juventude, adolescência, a toda a vida adulta até a noite de anteontem, e nada havia ali de excepcional.
O homem levantou o óculos e perguntou:
- Hoje você recebeu uma carta?
- Sim - tartamudeou tremendo.
- Onde ela está? - Perguntou com voz firme, estendendo a mão.
Ele pensando que seria estrangulado, procurou proteger o pescoço, e correu para dentro do apartamento.
O sujeito entrou na sala, fechou a porta, girou a chave e puxou de volta os três trincos e o pega-ladrão. Seguiu em direção ao pobre coitado que chorava baixinho no canto do sofá.
- Onde está carta - perguntou com voz soturna e ameaçadora.
- Aaaaaaqui! - tremia, chorava, os olhos saltando das órbitas, urinando-se.
O tipo puxou-a bruscamente, Pôs no bolso do capote, virou-se em direção à porta, onde teria de girar a chave, puxar os três trincos e o pega-ladrão, quando por fim a escancarou, voltou-se para trás e disse:
- Essa carta foi posta na sua porta por engano, era para o seu vizinho aqui do lado. Uma palavra e você é um homem morto. - Virou-se e foi-se embora.
Em menos de uma hora já estava com o caminhão de mudança na porta do prédio. Mudou-se e não deixou endereço para ninguém.
Nem Renata sabe que fim ele levou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”