Sec. do Meio Ambiente corta mato e limpa piso do estacionamento. Após matéria do Folhetim Cultural

Um local agradável, com banco a moda antiga, uma árvore enorme em frente a janela que nos remete a casa da vó. O mato alto deu lugar a um espaço limpo. Assim como o estacionamento no fundo da casa.

A casa está situada na Travessa Miguel Saad, fachada em frente ao caracol, na Praça do Relógio, que liga os dois lados da cidade no meio à estação de trem.

O poaense já sabe que a narrativa acima é do espaço em torno da Casa da Estação, mas as linhas que destacamos no início, passaram a ter sentido a partir da tarde de ontem (01), pois antes disso, o local tinha outro cenário, mato alto, crescendo grama no estacionamento e por entre os bloquetes.

Antes e depois da denúncia do Folhetim (estacionamento)
A Casa da Estação todo mês recebe exposições que enriquecem a cultura de quem frequenta o local, o Espaço, é um ponto cultural, turístico e histórico para a cidade de Poá. Sem dúvidas um importante patrimônio do município.

Na matéria publicada no fim da noite de segunda feira, o Folhetim trouxe para conhecimento do público, atual situação quanto ao serviço de manutenção do jardim da Casa da Estação, o Folhetim Cultural apurou que a entrada estava com aspecto feio e desagradável para recepcionar seus visitantes.

Ao longo dos dias que antecederam a publicação da matéria apuramos:

A Secretaria de Meio Ambiente fez o serviço anteriormente.

A pasta de Secretaria de Meio Ambiente não havia recebido nenhuma nova solicitação para que o serviço fosse realizado na Casa da Estação.

A jardinagem é de responsabilidade da Secretaria de Meio Ambiente e a administração da Casa da Estação é da Secretaria de Cultura de Poá.

Ao tomar ciência do que estava ocorrendo a Secretária Claudete Bscanada (PSDB) chefe da pasta de Meio Ambiente, pediu para que a informação fosse apurada, após verificar a veracidade e conversar com o Sr. Daniel, informou ao Folhetim que o Sr. Daniel e a equipe da Frente de Trabalho que realiza este serviço na cidade, iria no dia seguinte (terça/01) realizar o serviço necessário.

O local ficou muito mais limpo e atraente para a população
E assim foi feito na manhã de ontem, a equipe da Frente de Trabalho comandada por Daniel ,foi ao local  e executou o serviço prometido anteriormente pela Secretária à nossa reportagem.

Na matéria veiculada segunda-feira, o Folhetim indicou um possível caminho para que o mato não cresça de forma que prejudique a estética da Casa da Estação, e claro, para que o serviço prestado pela Secretaria de Meio Ambiente seja realizado com excelência ao munícipe poaense.

Relembre

Ideia do Folhetim para solucionar o problema

A Casa da Estação é um ponto cultural da cidade. Das segundas ás sextas-feiras, das 8 horas ás 17 horas está aberto para visitação do público. Turistas visitam o local e crianças das escolas da rede municipal poderiam conhecer. A Casa da Estação é um importante ponto da cultura poaense, mas o local deve estar preparado para recepcionar seus visitantes.

Um local limpo, com o jardim bonito, propiciando assim um clima de alegria e bem estar para quem se dirigi ao espaço. Já abordamos aqui a importância da Casa da Estação por ser parte da história de Poá, que no último dia 26 completou 65 anos.

A Secretaria de Meio Ambiente e Cultura poderiam estudar a possibilidade do local contar com um jardineiro especifico. Este profissional poderá cuidar das flores, da grama, da limpeza, do jardim, estacionamento, do paisagismo em geral. Assim, deixando o visual agradável para os olhos de quem visita a Casa da Estação.

Sem dúvidas isso contribuirá para a Cultura, o Turismo e o Meio Ambiente.


Matéria: Magno Oliveira
Edição: Fábio Akira
Revisão: Fábio Akira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”