GALERIA ALMEIDA E DALE EXIBE OBRAS RARAS DE WILLYS DE CASTRO

A mostra Willys de Castro – Múltipla Síntese traça o percurso do artista cult e multidisciplinar.

Willys de Castro, Estudo, óleo sobre tela, 35x35cm, 1974


A Galeria Almeida e Dale apresenta, de 26 de março a 30 de abril, a exposição Willys de Castro – Múltipla Síntese. Com curadoria de Denise Mattar, a mostra reúne 35 obras de diferentes fases, revelando o percurso de um dos mais instigantes artistas brasileiros.
Willys de Castro vivenciou integralmente o ideal da vanguarda do pós-guerra, realizando uma verdadeira síntese das artes. Mais conhecido por seu trabalho em artes plásticas, trabalhou também com música, poesia, design, cenografia, figurino e, em todas essas atividades, teve uma produção de excelência.
A exposição pincela a multiplicidade do artista e reúne algumas obras raras, realizadas entre 1949 e 1952, nas quais a figuração se entrelaça em superposições de cores e ritmos geométricos. Apresenta ainda um conjunto de trabalhos realizados entre 1956 e 1958, nos quais o artista, em pleno envolvimento com o Concretismo, realiza obras de estrutura rigorosa, cores puras, planos ortogonais, efeitos óticos e proximidade com o design gráfico.
A criação dos Objetos Ativos marca o momento no qual Willys de Castro se destaca como um dos mais inovadores artistas brasileiros, e que atualmente desperta a atenção da crítica internacional por sua originalidade e ineditismo. Entre os Objetos Ativos apresentados na mostra, está a obra pertencente ao acervo do MASP – Museu de Arte de São Paulo, que, datada de 1959, é um dos mais impactantes trabalhos desse período.
Willys de Castro – Múltipla Síntese exibe também outras produções, como um cartaz-poema da década de 1960; estudos preparatórios, nos quais é possível acompanhar a complexidade do pensamento do artista; e a música Policromos, composta por Willys de Castro em 1951. Completam a exposição os Pluriobjetos, que o artista realizou em metal, nas décadas de 1970 e 1980, e que ampliaram as experiências propostas pelos Objetos ativos.
A melhor definição sobre os Objetos Ativos, que encarnam o conceito paradoxal de Múltipla Síntese, proposto pela curadora, foi dada pelo próprio artista e pode ser estendida a toda a sua obra:
“Tal obra, realizada com o espaço e seu acontecimento, ao penetrar no mundo, perturba-o e, pelo seu surgimento, deflagra uma torrente de fenômenos perceptivos e significantes, cheios de novas revelações, até então inéditas nesse mesmo espaço.(...) Contendo eventos dentro do seu próprio tempo – iniciados, transcorridos, findados, reiniciados etc. – e ali demonstrados clara, fluentemente e indefinidamente, ele inaugura-se no mundo como um instrumento de contar a si próprio.”
Sobre o artista
Formado em química, Willys de Castro (Uberlândia MG 1926 - São Paulo SP 1988) trabalhou como desenhista técnico e começou a pintar em 1948, já revelando interesse pela abstração. Em 1954, fundou, com Hercules Barsotti, o Estúdio de Projetos Gráficos, em que atuou intensamente por 10 anos e estabeleceu uma nova visualidade no design gráfico brasileiro. Trabalhou como figurinista e cenógrafo para o Teatro de Arena e Teatro Cultura Artístico, recebendo, em 1957, o prêmio da Associação Paulista de Críticos Teatrais. Participou e atuou como barítono no movimento Ars Nova, dirigido pelo maestro Diogo Pacheco, que dedicava-se à revelação de uma música pouco conhecida – tanto clássica quanto contemporânea. Em 1957, num feito inédito, Willys de Castro produziu as partituras de verbalização para poemas concretos de Augusto e Haroldo de Campos, Ferreira Gullar e Décio Pignatari, apresentados pelo Ars Nova, no Teatro Brasileiro de Comédia, no 1o Recital de Poesia Concreta do país. Em 1958, filiou-se ao movimento neoconcreto carioca e surpreendeu o circuito de arte com seus Objetos Ativos que romperam a superfície bidimensional da tela como suporte para a pintura. Participou da mostra Konkrete Kunst, organizada por Max Bill, em Zurique, em 1960. Foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Desenho Industrial e da Galeria de Arte Novas Tendências, que reuniu os concretos paulistas, a partir de 1963. Entre 1966 e 1967, projetou estampas para tecelagem, e a partir dos anos setenta fez experiências com o metal e madeira, criando os Pluriobjetos.

WILLYS DE CASTRO  – Múltipla Síntese, na galeria Almeida e Dale
Coquetel de abertura (para convidados): quinta-feira, 26 de março, a partir das 19h
Visitação: De 27 de março a 30 de abril de 2015 
De segunda a sexta, das 10h às 18h; sábado, das 10h às 14h
Rua Caconde 152, 01425-010, São Paulo SP
Telefone: (11) 3882-7120/ 3051-2311

Fonte: A4 Comunicação - Bruno Palma
Postagem: Dhyne Paiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

Arquivo da Música: Roupa Nova