Análise do filme Bastardos InGlorios

                                                                  ANÁLISE

                                          FILME: BASTARDOS INGLORIOS

     FÁBIO AKIRA

O filme já começa auspicioso. A introdução de um dos personagens-chave do filme, o Coronel Hans Landa (Christoph Waltz), da SS, é magistral, cão de guarda alemão. A sequência inicial do filme é surpreendente, e já mostra uma das principais características do longametragem: a atuação. Simplesmente esplêndida , é aquele caso onde os atores, conseguem demonstrar o que está se passando na cabeça deles. E isso pode trazer uma grande confusão para com o espectador, pois Bastardos Inglórios é um filme veemente e forte.

O Filme de 2009, aborda o Nazismo.
Não poderia se esperar menos de um filme sobre nazismo, um dos períodos mais agitados, violentos e sádicos. O filme se passa na primeira metade da década de 40, durante a Segunda Guerra Mundial, na França ocupada pelos nazistas. Uma coisa interessante é o destaque maior para Joseph Goebbels (Sylvester Groth) do que para o Führer (Martin Wuttke). O Ministro da Propaganda e líder das indústrias cinematográficas alemã do Terceiro Reich é uma figura central no filme, o que mostra claramente a essência do nazismo: a propaganda. Essa é veiculada também na forma de filmes, todos feitos para engrandecer o soldado, a identidade e o nacionalismo alemão.
Baseado nas aventuras do soldado Fredrick Zoller (Daniel Brühl), todo o drama do filme acaba girando em torno da noite de estréia da película na França, contando com a presença de soldados, comandantes doTerceiro Reich, praticamente grande parte dos alemães. E é aí que começa a missão dos chamados Bastardos. 

Quentin Tarantino diretor do filme

Eles são um grupo de operações formado nos Estados Unidos com um único intuito: matar nazistas. Todos são comandados pelo Tenente Aldo Reine (Brad Pitt). A matança dos nazistas é, de alguma forma, divertida. Tarantino fez algo muito interessante quando os nazistas estão sendo espancados, alvejados, escalpelados entre outras coisas violentas. Isso é feito de forma divertida. É muito engraçado e com trilhas sonoras, não de tensão, mas de pura diversão. Quando é o contrário por exemplo, quando algum nazista está sendo violento com outro personagem, o clima de tensão e terror já é muito maior.

Acredito que muito desse suspense também se deve à escolha do diretor em dividir o filme por capítulos. Essa semelhança com um livro, traz essa sensação, pois eu acho que parte das pessoas que são acostumadas e possuem o hábito de ler, tem essa curiosidade, de terminar logo um capítulo para saber como vai ser o próximo. E isso é trazido para Bastardos Inglórios, de forma que cada capítulo possui uma determinada importância, deixando os focos narrativos cada vez mais interligados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo