Chá das 5 com Roberto Prado




Roberto Prado, 49 anos Santos, São Paulo.

Publicou dois livros, é funcionário público e todo mês fará sua participação no Chá das 5 aqui no Folhetim. No próximo mês ele estreia uma coluna semanal aguardem!








AH! O AMOR

Para O Mário e sua bárbara dor

não sofras meu jovem
tu ainda não sabes nada de nada
e sofres por tão pouco
lá frente
no futuro
(por isso não te mates ainda)
tu verás que aquilo não era dor
talvez fosse
quando muito
um beliscão no orgulho
ferido, sim, eu reconheço
mas não são dores de amores
sofres
sim, outra vez reconheço
sofres, mas não sofres a falta dela
sofres, mas é por não tê-la e o outro sim
sofres, pois outros braços que não teu
a abraçam
outros lábios que não o teu
a beijam
outro teto que não o da tua casa
a abriga à noite
mas isso, embora doa muito,
não é amor
pode ser o despeito
a vontade assassina
(segure essa onda)
de torcer o pescoço do rival
que até pouco tempo
apresentavas como mais que amigo:
- um irmão!
pense assim
tudo passa
o que tens é uma paixão
uma febre
uma doença de verão
passageira
amanhã
(por isso pedi para que não te matasses)
rirás disso
e não rirás sozinho
rirás e muito
em companhia desses
que hoje te atormentam
e fazem de tuas noites
pesadelos suarentos e arfantes
cuida-te hoje
para tenhas amanhãs
siga em frente
nem olhes para os lados
(exceto é claro, na hora de atravessar ruas)
e, preste atenção
lá no horizonte
que não é assim tão distante
verás, sem sombra de dúvida, acolá
outra(s) garota(s)
e comentarás rindo
(via e-mail?, telefone?)
com esse canalha de seu,
hoje ainda, odiado ex-amigo:
- cara, encontrei a mulher da minha vida!
e, pode até, ser ela
pode também não ser
mas nesse dia
nem sequer
te lembrarás que um dia
sofrestes por essa que agora
me leva a te escrever essas linhas.


As opiniões emitidas nas colunas neste blog, não refletem necessariamente a opinião do Folhetim Cultural.


Tradução em espanhol


Roberto Prado, 49 Santos, Sao Paulo.
Ha publicado dos libros, un empleado del gobierno y cada meshará su participación en el  de mayo aquí en Folhetim. El mes que viene que va a debutar una columna semanal esperar!

AH! AMOR

Para el Mario y su dolor bárbaro

¡No estés triste mi joven
Todavía no sabemos nada de nada
y sufrir por tan poco
frente hay
en el futuro
(Así que no te maten todavía)
verás que no fue el dolor
tal vez
a lo sumo
orgullo en un apuro
heridos, , reconozco
pero hay dolores de amor
sufren
, una vez más reconocer
sufren, pero no sufrió la falta de ella
sufren, pero no lo tenía y que la otra
sufren porque no sean tus brazos
abrazo
que no sea su propia boca
el beso
que no sea el techo de su casa
las casas por la noche
pero que, a pesar de dona mucho,
no es amor
puede ser el resentimiento
asesinará
(Mantenga esta onda)
torcer el cuello del rival
que hasta hace poco
presenta como algo más que amigo:
- Un hermano!
creo que sí
todo pasa
lo que tienes es una pasión
una fiebre
una enfermedad de verano
transitoria
mañana
(¿Por qué no le preguntas a matar)
se ríen de él
y no reírse de sí mismo
ríen y muy
en compañía de estos
que afectan a ti
y hacer que tus noches
pesadillas sin aliento y sudoroso
se preocupa por el día de hoy
usted tiene a un futuro
seguir adelante
o mirar a los lados
(Excepto, por supuesto, en el tiempo para cruzar las calles)
y prestar atención
hay en el horizonte
que no está tan lejos
usted ve, sin duda, hay
otra (s) chica (s)
reír y comentar
(Vía e-mail?, teléfono?)
con este hijo de puta de los suyos,
aún hoy, odiado ex-amigo:
- Guy, conocí a la mujer de mi vida!
e incluso puede ser
puede no ser
pero en este día
ni siquiera
usted recordará que un día
sufrido por el ahora
me lleva a escribir estas líneas.



Roberto Prado

Las opiniones expresadas en las columnas de este blog no reflejan necesariamente los puntos de vista de la folletinescaCulturales.

Comentários

  1. Muito bom, adorei esta carta ao amigo desesperado pela dor da perda do amor, a linguagem é fantastica com toda carga de conformismo em forma de incentivo.Bravo!

    ResponderExcluir
  2. Valeu a força com certeza! Bela mensagem.
    Abraços cariocas!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu espaço! E adorei a carta postada... Sentimentos comuns a todos nós, meros mortais...
    Jé me fiz seguidora!!!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Impressionante! A fusão da alegria de um poema como os sentimentos de um poeta, e a ironia de um ser pensante. Amei muito!

    ResponderExcluir
  5. Adorei!!! jaja! Qué buenas palabras, tan buenas que nos llegan a varios..no solo a mario ja!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá