Ex-baixista da Legião Urbana vira morador de rua



Foto: Ricardo Junqueira e Marcelo Benzaquém
Renato Rocha durante as gravações do álbum "Que País é Este", em 1987
Renato Rocha, ex-baixista da Legião Urbana, está vivendo há cinco anos como sem-teto nas ruas do Rio de Janeiro.
O músico foi encontrado pela reportagem do programa Domingo Espetacular, da Rede Record, sentado em frente a uma agência bancária no centro da cidade.
Rocha, que entrou para a banda a convite do cantor Renato Russo, foi despedido alguns anos depois. Segundo um vídeo da época, o baixista foi expulso, de acordo com Dado Villa-Lobos, por "ser muito louco".
Falando do grupo, Renato Rocha diz sentir saudade dos tempos de sucesso: "Adoro ouvir Legião no rádio"; e sobre Russo: "Ele era uma pessoa muito inteligente. E (quando estava) sóbrio, era fácil de conviver; só que ele bebia sem limites".
Ainda sobre drogas e álcool, o músico afirma nunca ter sido dependente: "Às vezes você toma um calmante e é considerado droga. Eu preferia tomar um calmante para controlar o nervosismo". Mas falando sobre as festas, admite: "Depois (dos shows) pode liberar tudo".
Procurado pela reportagem do programa, o pai de Renato, Sebastião Rocha - advogado com 84 anos de idade - disse que soube do filho há poucos dias, e que o baixista chegou nessa situação devido à dependência de drogas, que teve início após o fim de seu casamento. Sebastião planeja também ir ao Rio para tirar o filho das ruas.
Falando sobre o dinheiro ganho com os direitos autorais das músicas da Legião Urbana, Renato Rocha reclama: "Como pode um disco vender mais de 12 milhões de cópias e eu ficar na rua?"

Foto: Reprodução
Renato Rocha na reportagem do programa Domingo Espetacular



Procurado, o ECAD afirmou que o músico recebeu nos último dez anos quase R$ 110 mil, em uma média de aproximadamente R$ 900 por mês.






Marcelo Bonfá

Ex-baterista da Legião Urbana, Marcelo Bonfá comentou o caso no Twitter. "Nós da banda sempre tentamos ajudar o Renato Rocha, mesmo quando ele ainda era um músico ausente dentro na banda. Depois disso ele se distanciou e se envolveu em problemas que iam além das nossas possibilidades de ajudá-lo."
"Muito depois,o Dado,que tem um estúdio, tentou ajudá-lo oferecendo-o uma participação numa gravacao.Mas o RR não conseguiu realizá-la. Algumas pessoas aqui estão bastante equivocadas sobre a ideia de qualquer culpa que possamos ter, eu e Dado, na vida que ele escolheu para si. Posso dizer que eu faço a minha parte quanto a ajudar pessoas dentro do meu raio de acão e que ainda assim vão além da minha própria família."

Vídeo retirado do Youtube
Fonte: Portal IG
Postagem: Magno Oliveira

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”