Editora Prumo lança Sozinho no Deserto Extremo, de Luiz Bras

O narrador de Luiz Bras conduz à inquietante condição de se perceber só. A obra conta em detalhes o difícil enfrentamento da solidão concreta.
 
Luiz Bras lança, pela Editora Prumo, o romance Sozinho no Deserto Extremo. O livro explora o complexo estado psicológico causado pela solidão, não somente a metafórica, que é como o “sentir-se sozinho na multidão”, mas a real situação de estar só, em um mundo despovoado, sem ninguém em quem se espelhar.
 
Curta a página do Folhetim Cultural no Facebook 

O destaque da obra, recheada de inquietações filosóficas e referências culturais, são as preciosas divagações de Davi, personagem principal da história, um publicitário bem-sucedido, que acorda certo domingo e percebe que está sozinho em casa. A mulher e os filhos pequenos não estão, a quietude é incomum. Até mesmo o costumeiro barulho abafado do trânsito desapareceu. Davi telefona para a mulher, mas a ligação cai na caixa-postal. Preocupado, telefona para outros números, e nada, ninguém atende. Em poucos minutos, olhando pela janela e navegando na internet, ele percebe que está sozinho no mundo.


Privado das distrações e da rotina, Davi faz uma análise da relação desgastada que tinha com a esposa, da sua insatisfação profissional e até das ponderações mais abrangentes sobre os seres humanos e a sociedade.

O autor sinaliza, porém, que a solidão que Davi experimenta é de outra natureza, diversa a qualquer outro conceito da palavra a que estamos acostumados. A forma de solidão dele é se deparar com obstáculos ao infinito: “Ele sente estar vivendo entre grandes escombros. Não há lugar fora deles. Não existe a paisagem plana sem acidentes. Tudo é labiríntico e acidental, tudo é um constante entrecruzamento de cabos e vigas reais e emocionais, cobertos de poeira...”.

Os sentimentos mais viscerais do personagem não são poupados nas verdades cortantes do narrador, “Sempre detestou as pessoas. Agora que está sozinho ele reconhece isso. Sempre odiou viver entre seus semelhantes. Abominável, tudo: os esbarrões no elevador ou na calçada cheia, as máscaras sociais, a política cotidiana, as gentilezas falsificadas, o toma-lá-dá-cá emocional no trabalho, na família. Quando começou esta aversão? Cedo. A passagem da infância para a adolescência foi traumática. O que antes era espontâneo de repente ficou muito afetado. As pessoas perderam a naturalidade, a inocência, ele perdeu a naturalidade, a inocência....”.

Sobre o autor
 
Luiz Bras nasceu em 1968, em Cobra Norato, MS. É doutor em Letras pela USP. Adora filmes de animação, histórias em quadrinhos e gatos. Com os felinos, aprendeu a acreditar em telepatia e universos paralelos. Já publicou diversos livros, entre eles a coletânea de contos Paraíso líquido, a coletânea de crônicas Muitas peles, os romances juvenis Sonho, sombras e super-heróis e Babel Hotel e, em parceria com Tereza Yamashita, os infantis A menina vermelha, A última guerra e Dias incríveis. Mantém uma página mensal no jornal Rascunho, de Curitiba, intitulada Ruído Branco. Também mantém o blogue Cobra Norato:
 

Sobre a Prumo
 
Fundada por Paulo Rocco, responsável pela editora Rocco, a Prumo tem sede em São Paulo com equipe própria e independente. A linha editorial é bem diversificada, inclui títulos nas áreas de ficção, não-ficção e infantojuvenil. O objetivo é oferecer ao leitor um catálogo amplo, com o melhor da literatura nacional e estrangeira, além de títulos de referência e livros atraentes para o público jovem e infantil.
 
Ficha Técnica
 
Sozinho no deserto extremo (romance)
Editora Prumo
Selo: leia
Autor: Luiz Bras
Formato: 14 ×21 cm
No de páginas: 320
ISBN: 978-85-7927-216-5
Acabamento: brochura
Preço: R$ 34,90
 
Fonte: A4 Comunicação
Postagem: Magno Oliveira

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá