Diário de uma adolescente por Bárbara Fernanda: No fim é sempre assim


Bárbara Fernanda Cândido, cursou o ensino médio. 
Seus hobbys é ir ao cinema, exposições, conhecer lugares novos e a tranquilidade de uma boa chácara para esquecer do mundo.
Escreve desde pequena, influenciada por mãe e professores que sempre observaram seu talento. Gosta de livros de ficção, suspense e romances.


Minha frase:
"Quando se tem ideia e determinação ambas resultam em realização"


"No fim é sempre assim."

"No final é sempre assim...
Lágrimas e muita dor.
Nenhuma despedida é tão boa.
E nenhuma alegria completa.
Comigo é sempre assim, ás vezes batendo  com a cara na porta,
Enxergando tudo e percebendo... Poxa, que idiota!
Meu coração estava tão fragmentado
E tudo antes tão destruído...
Quero respirar mais não posso (ainda?).
As faces da moeda que se abatem.
Amar é mais complexo e vasto do que pensei.
Traz determinadas coisas a tona que será que em algum momento eu quis?
Quando abro minha alma,  amo. No fim: valeu a pena fazer tudo isso?

Todas as coisas pelo qual vivo?
Respostas que sempre me negam ao fim.
Entretanto o oposto é o que completa,
E quando percebo que caí,
E me machuquei
Levanto, encosto o que me feriu e parto sem olhar para trás.
Partir é bom
Lava a mente e desencarrega os encargos de consciência;
Ir para algum lugar comum...
Com o que te espera no futuro.
Ah... o futuro é bom
E as incertezas que o circundam também..."

Bárbara Fernanda

Comentários

  1. A vida é um círculo, acaba-se algo, logo começa-se outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábias palavras do Ranzinza

      Magno Oliveira
      Folhetim Cultural

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”