Na hora do almoço com poesia por Beto Ribeiro: Nem tudo é o que parece



Beto Ribeiro é poeta desde a adolescência, pela primeira vez torna pública suas poesias por um veículo de comunicação. Pretende em breve publicar seu primeiro livro de poesias.
É estudante, já foi modelo e pretende se dedicar a área de informática. Nasceu em Poá cidade em que vive até hoje.

Esta coluna será sempre publicada ao meio dia nos sábados.






Poesia: Nem tudo é o que parece


Só porque não estou com você não significa que não te amo mais
e sim que apenas não sei mais me dar com esse sentimento que em mim só cresce
Só porque não lhe digo mais coisas lindas não é porque não lhe ache mais atraente
e sim porque não tem palavras que descreva tal beleza


Pare de ver tudo pelo lado ruim
Pense um pouco no que pode ser mais inesperado
Não nasci para agradar e sim para surpreender 


Porém se um um dia eu voltar a estar ao seu lado
Não significará que o sentimento diminuiu
e sim que aprendi como lhe dar com tal sentimento


Só porque uma pessoa não está ao seu lado não significa que ela deixou de te amar.


Autor: Beto Ribeiro

Comentários

  1. LOS AMORES SON A SI CONFUNDIDOS DIVINOS LABERINTOS DEL SENTIMIENTO INTIMO DE ESE QUE MUCHAS VECES NI TAN SIQUIERA ES SENTIDO EN LAS ALMAS O EL CUERPO ES SILENCIO O ES RUIDO
    EL AMOR... EL AMOR ES UNA PELOTA QUE BOTA O QUEDA QUIETO EN BESOS SIN SONIDO
    ¡ EL AMOR ,,, AMOR ,,,, AMEMOS NO
    UN SALUDAZO

    ResponderExcluir
  2. tenho 1 pergunta. Na última linha está escrito "e sim que aprendi como lhe dar com tal sentimento" mas o correto não seria "e sim aprendi como lidar com tal sentimento" ?
    poderia esclarecer por favor ? fiquei um pouco confuso

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo