O Poeta Entrevista: Magno Oliveira entrevista Ailton Sales

Neste mês de junho entrevisto, este senhor que se considera trovador, pura modéstia é um ótimo escritor. Mostra seu talento uma vez por mês no Chá das 5 aqui no Folhetim Cultural. Já morou em São Paulo, hoje mora em Minas Gerais, é aposentado, e sua experiência é traduzida em sabedoria, que deve ser sabida, por nós jovens. Leia agora a primeira pate da entrevista com Ailton Sales. (Esta entrevista foi feita por e-mail).
Magno Oliveira escreve aos sábados No Café da Manhã com Poesia 07 da manhã, com reprise aos domingos 09 da manhã, Ailton Sales participa do Chá das 5, uma vez ao mês ás 17 horas também no sábado com reprise a partir de julho ás quintas feiras ás 17 horas.

Magno Oliveira: Caro Ailton para iniciarmos se defina para nós:

Ailton Sales: Como assim... Quem sou eu... Do que gosto... O que faço... É isso??
Magno Oliveira: Pode ser... Para ficar melhor qual deve ser a coisa que nós do Folhetim não podemos ficar sem saber de ti.?!

Ailton Sales: Eu não entendi bem a pergunta... Mas pode perguntar o que quizer, não tenho nada á esconder.

Magno Oliveira: Como você Ailton se definiria: Um capitalista, um socialista, ou neutro? (risos)

Ailton Sales: Como cristão só poderia ser um socialista, não o socialismo dos homens, mas aquele pregado pelo maior dos socialistas que já passaram por este planeta, Jesus Cristo.

Magno Oliveira: O socialismo não vingou até hoje em nenhum país você acha que este sistema funcionaria no Brasil?

Ailton Sales: Não, de forma alguma, isto porque seria uma cópia dos outros, jamais seria um socialismo no verdadeiro sentido da palavra. Socialismo, em primeiro lugar se resume na palavra fraternidade, coisa cada vez mais difícil nos dias de hoje.

Magno Oliveira: A falta de fraternidade existe devido ao capitalismo, cada vez mais forte em nosso país?
Ailton SalesAcho que é apenas uma das causas, há muitos capitalistas que são verdadeiros samaritanos, prestam grandes serviços em obras sociais, isto é fraternidade, sabem dividir um pouco das suas riquezas em beneficio dos pobres, a outra causa não vem dos bens que possuem mas do "berço" que tiveram.

Magno Oliveira: Então você acha que a culpa da miséria que vivemos é devido ao ser humano e não em si o sistema ao qual vivemos?

Ailton Sales: Claro que sim, se cada um de nós dividirmos um pouco do que temos com aquele que nada tem, certamente não haveria miséria neste planeta.

Magno Oliveira: A educação dada pelos pais quando criança, pode ajudar nessa mudança? 

Ailton Sales: Claro que sim, compete aos pais formar o carácter dos filhos, fazê-los entender que somos membros de uma só família, a família dos humanos.

Magno Oliveira: Você acha que recebeu educação de qualidade de seus pais, você acha que recebeu qualidade de ensino do governo, você deu educação de qualidade aos seus filhos e seus filhos receberam educação de qualidade do governo? 

Ailton Sales: Acho que recebi sim, e que também passei aos meus filhos o que aprendi. Cheguei aos setenta e sete sem fazer um inimigo sequer. Jamais dei prejuiso a alguém, nunca neguei ajuda á quem me pediu. Meus seis filhos, tres homens e tres mulheres, hoje com filhos e netos podem dizer a mesma coisa. São todos considerados "do bem". Então a minha resposta é sim. Se lhes faltaram muito saber, muita cultura, sobram-lhes carater e dignidade. Dou graças á Deus por isso.

Magno Oliveira: Mas e a parte do governo de ensinar?

Ailton Sales: Não. Posso estar errado mas acho que carácter não se forma em escola, elas até podem mudá-lo, formação mesmo é em casa, a família é quem deve cuidar disso. Acho que o papel do governo é fazer o que vem fazendo á oito anos, gerando emprego e renda, dando oportunidade á quem queira estudar mais. Tenho hoje um  neto advogado, outro, seu irmão que também se forma este ano em direito, uma neta professora recém formada, outra que se formará em administração e tres bisnetos cursando a faculdade. Portanto acho que o governo está fazendo sua parte, falhando apenas no que diz respeito aos salários dados aos professores o que ao meu ver prejudica a qualidade do ensino.


Magno Oliveira: Você me disse na questão anterior que seus filhos não tiveram cultura acesso a ela... Porém o senhor as educou bem. Você concorda que muito ajudaria se o governo participasse de forma ativa da vida, da formação do carácter do cidadão?

Ailton Sales: Não acho que cabe ao governo ensinar,  educar... Educação é responsabilidade dos pais. Cabe ao governo formar bons professores para ministrarem conhecimentos, cultura e saber. 

Magno Oliveira: Então você avalia de forma positiva o governo do PT?

Ailton Sales: Sem dúvida nenhuma, que me provem o contrário... Desde Getulio Vargas, não teve outro presidente que fizesse mais pelos trabalhadores, pelos pobres, que ele. Além de colocar o Brasil de pé, tirando-o da posição de joelhos. Um governo que durante seus oitos anos no poder, sofrendo toda pressão daqueles mesmos que derrubaram Jango, que cassaram Juscelino (quem sabe até o mataram)
que obrigaram Jânio a renúncia, que elegeram Fernando Collor, e que nessa ultima eleição só não conseguiram eleger o candidato que serviria aos seus interesses, (graças a internet)  conseguiu fazer com que o brasileiro recuperasse sua alto estima, que o Brasil seja visto agora com o respeito que merece.

Magno Oliveira: Você que acompanhou vários governos, você acha que a era Lula foi a melhor?

Ailton Sales: Eu nunca fui petista, não acredito em partidos, eu avalio sim de uma forma positiva o governo passado, são os fatos que comprovam isso. Basta ver a situação do Brasil hoje e a que era nos governos anteriores.

Magno Oliveira: Lula era contra a Globo, José Sarney, Fernando Collor hoje é aliado deles, como você enxerga isso e os escândalos de corrupção que aconteceram na gestão Lula?

Ailton Sales: Por isso é que respondi, quando perguntado, se eu seria um bom governo disse que não. Não aprovo esse tipo de alianças, também não fiquei satisfeito com elas, mas, parece que faz parte do jogo politico, o que me dá nojo.
Quanto a tão falada corrupção, parece até que ela surgiu no governo Lula. De fato foram muitos os escândalos surgidos no seu governo, aparecendo as denuncias sempre nos mesmos orgãos de "informação", na revista Veja, na Folha de São Paulo, no Estadão e principalmente na Rede Globo. Nunca a Policia Federal trabalhou tanto como no governo dele, basta ver o numero de operações realisadas por ela em governos passados e nesse. Houve muito mais escândalo e corrupção no governo FHC, só que iam para baixo do 
tapete. Quem quizer saber mais sobre isso, é só visitar o Portal de Luiz Nassif e consultar. 

Magno Oliveira: 
Você citou Folha de São Paulo, Estadão, Globo e ainda a revista Veja do grupo Abril. Paulo Henrique Amorin participou ontem do I Encontro dos blogueiros do Alto Tietê. O Folhetim Cultural esteve presente e registrou algumas falas do jornalista e trago agora para o senhor e gostaria que o senhor comente:

"A liberdade de imprensa tornou se a prerrogativa daquilo que eu chamo no meu blog de PIG ( Partido da Imprensa Golpista) formado por Folha, Estado e Globo, não incluo a Veja, pois a Veja no meu modo de ver é um detrito de maré baixa".

"A liberdade de expressão está acima da liberdade de imprensa".


Ailton Sales: Pois é amigo, (acho que ainda tenho mais uns vinte minutos) se não me engano foi o próprio PH quem criou esse slogan. Graças a Deus e a internet toda essa midia mercenária perdeu o restinho de credibilidade que ainda tinha, na eleição passada. Os processos contra eles estão (por enquanto, engavetados) assim como mais de uma centena deles contra outros membros de famigerado PIG.
Não sei se você tem conhecimento da queda de audiência da rede globo em todo o país, somente no norte e nordeste foi de desessetepor cento nos ultimos dois anos. Parece-me que li essa noticia no Conversa afiada.Concordo plenamente com você em relação a revista Veja, essa vai pagar caro (assim como a rede globo pela palhaçada que fizeram na montagem da foto do "atentado" contra o "santo Serra", e também o perito Molina, é só aguardar.

Magno Oliveira: SBT e Globo estão em baixa, em todo o Brasil o crescimento da Rede Record é bom?

Ailton Sales: O SBT pra mim já está agonizando... Sua programação não se mantém, muda dia, muda horário, em matéria de novelas então é um Deus nos acuda, tem que apelar mesmo para as mexicanas. Essa de agora, Amor e Revolução não dá pra entender, péssima produção, uma mistura idiota de fatos que marcaram (e mancharam) nossa história, com pseudo romantismo. Gostaria de saber quem é o diretor de audio, isso porque uma bendita musiquinha sempre cobre a fala dos atores impedindo que a gente entenda o que estão dizendo, muitas falhas na produção, a mais recente e tão óbvia que eu não entendo quem foi o "gênio"que dirigiu a cena. A mulher do Major (o maior vilão da trama) sequestrada por ele e torturada nos porões do DOPS, consegue fugir e ( veja que barbaridade)  embrenha-se em uma "mata fechada" tentando se esconder... Meu Deus do céu, onde ela foi encontrar essa mata fechada fugindo das dependência do DOPS, mata como a que foi mostrada acho que só mesmo na Cantareira.
A Record indiscutivelmente vem crescendo sim.

Magno Oliveira: Você gosta da televisão?

Ailton Sales: Gosto de alguns programas, Jornais vejo todos que posso afim de tirar minha conclusões, vejo tanto disparate as vezes neles que fica dificil saber quem está dizendo a verdade. Não perco é esportes, gosto de todos, futebol é uma dureza quando so "a antiga Toda Poderosa" transmite, não suporto Galvão Bueno, nada contra a sua pessoa, não gosto da sua narração Assisto também as TV Senado e TV Camara, nessas é que lamento ver como o dinheiro publico é mal aplicado, quem são os homens responsaveis em legislar. Gosto mesmo é da TV Cultura, tudo que vejo alí pode ser aproveitado. Tem um porém, não costumo muito ver televisão, só quando acho que tem alguma coisa que possa me interessar.

Magno Oliveira: O que você gosta de fazer nas horas de lazer?

Ailton Sales: Amigo, acredite ou não, eu não tenho a chamada hora de lazer. Como tenho hoje todo o tempo do mundo, isto é, não tenho que ficar olhando para o relógio, quando não tenho nenhum compromisso estou pintando, escrevendo, inventando qualquer coisa para não ficar parado. Não sou capaz de fazer como outros colegas aposentados que levantam cedo, saem de casa para sentar num banco da praça e ficar batendo papo. Antigamente meus momentos de lazer eram na piscina, minha paixão. Hoje é como eu disse, procuro fazer alguma atividade, mas sem sair de casa. Minha esposa teve problema sério de saúde a seis anos, (infarto) felizmente se recuperou, mas tem hoje uma vida com muitas restrições, não pode fazer nada que requeira esforço, por isso hoje faço todo o trabalho da casa que ela fazia, isso então impôs á mim também muitas restrições.


Magno Oliveira: A sua mulher infartou, desde disso mudou muita coisa na sua vida?

Ailton Sales: Sim. Na minha e na dela, hoje ela tem muitas limitações, não pode fazer nenhum tipo de esforço. Para ela, que sempre teve uma vida de muita atividade foi uma mudança radical e por tabela na minha também, uma vez que hoje faço todo o serviço pesado da casa. Mesmo assim não reclamamos, ainda podemos fazer nossos artezanatos que para nós funciona também como terapia.

Magno Oliveira: Oh, você é artesão também?

Ailton Sales: Dizem que sou, trabalhei por doze anos na feira de artesanato daqui, fazia trabalhos com garrafas e vidros, abajus, licoreiras, lustres, conjunto de bebidas, moveis em miniatura e alguma coisa mais. Hoje eu faço pinturas em tecido para toalhas centro de mesas e panos de prato, eu pinto e a Marlene faz o acabamento em crochê. Ela faz também vestidinhos para bonecas (Barbie principalmente). Nos meus álbuns de foto tenho um dedicado somente a fotos de artesanato. Na comunidade  "O CÉU DEVE SER MEIO CHATO", tem um tópico dedicado a nós, o tópico é "NA VARANDA DO AILTON SALES", tem lá os "meus rabiscos", quadros. Isso é o que eu e a Marlene fazemos, adoramos artesanato. Dê uma olhada nas fotos e diga o que acha.

Magno Oliveira: Irei visitar, e tenho certeza que nossos leitores também irão querer vosso trabalho. Ailton você acha que o artesão tem respeito perante a sociedade?

Ailton Sales: Eu acho que hoje está sendo mais valorizado, mas falta muito ainda para ser respeitado como merece. Olha, todo brasileiro no fundo é um artesão, seja na pintura, no desenho, nas esculturas, enfim a tudo que se refere as artes o brasileiro se destaca. No meu caso, desde garoto eu vivia "inventando" alguma coisa. Eu aprendi como cortar garrafas numa revista, não sabia que mais tarde seria (como foi por doze anos) o sustento da minha familia, posso dizer, sem falsa modéstia, que muitas das minhas peças estão hoje (se não quebraram rsrsrs) nas casas dos turistas que por aqui passaram, brasileiros e estrangeiros, que gostaram e compraram e digo mais, se  eu também ganhasse dinheiro pelos elogios ao meu trabalho, sem dúvida nenhuma eu estaria rico.

Magno, lá no álbum hoje tem apenas uma foto de uma peça que eu fazia em vidros, as que eu tinha em casa com o tempo se quebraram tem várias fotos mas agora em tecidos.
Temos recebido muitos elogios, principalmente pelo trabalho da minha esposa, temos recebido pedidos de como adquirir as peças, mas infelizmente não temos produção para atender, é puro artesanato mesmo e por isso não há como produzir em série.



Magno Oliveira: Foi na época que você descobriu o artesanato, que surgiu o dom poético?

Ailton Sales: Não, desde os tempos do Grupo Escolar eu já gostava de fazer versos, sempre gostei também 
do que chamam artesanato, vivia fazendo e inventando brinquedos. Em 1985 aprendi numa revista como cortar garrafas e passei a fazer algum trabalho como hobby, depois passei a me dedicar exclusivamente ao artesanato tendo trabalhado na feira de artesanato por doze anos.


Magno Oliveira: Onde você expõe suas obras poéticas?

Ailton Sales: Exclusivamente nas comunidades do orkut. Como tenho muita coisa escrita e que estavam engavetadas", por sugestão de amigos que tinham computador, ao adquirir o meu me indicaram as Comunidades ligadas a poesia. Adicionado em uma delas, cuja dona além de ser uma excelente poetisa é também professora de português e literatura, foi que criei coragem (graças ao seu incentivo) para postar os meus escritos. Dali começaram então convites de outras comunidades para participar e é o que tenho feito até hoje. Faço questão de registrar aqui o nome da Comunidade e de sua dona, a minha primeira e maior amiga... POEMAS TROVAS E AMIGOS, dona, Aletis Lete.

Magno Oliveira: O que afasta hoje o jovem da literatura?

Ailton Sales: Sinceramente não sei. Hoje os tempos são outros, bem diferentes dos da minha juventude, já disse antes que eu era um "devorador" de livros, como eram também meus pais. Com o evento da televisão surgiram outras formas de distração e agora com o computador e a internet muito mais. Acredito que grande parcela dos jovens de hoje se interessam por literatura, porém, os preços dos livros muitas vezes impedem sua aquisição.

Magno Oliveira: A transformação do país através da revolução cultural é possível?

Ailton Sales: Não só é possível como necessária. Só através da cultura, do saber, do conhecimento poderemos chegar a ser mesmo um país de primeiro mundo.


Magno Oliveira: O poeta tem espaço na mídia?

Ailton Sales: Tem, mas é tão pouco que só mesmo os que gostam de poesia tomam conhecimento.


Magno Oliveira: Você começou a escrever utilizando o que como inspiração?

Ailton Sales: Como já disse comecei fazendo trovas, a inspiração vem no momento como acontece até hoje, não sei dizer como.


Magno Oliveira:Quais livros você lia e hoje quais você lê?


Ailton Sales: Na juventude, como era natural, todos de aventura... As aventuras de Tarzan, Robinson Cruzoé,
Vinte mil léguas submarinas, Viagem ao Centro da terra, A volta ao mundo em oitenta dias... e por ai vai. Mais tarde, A cabana de Pai Tomaz, O conde de Monte Cristo, O primo Basilio e outros que não me recordo no momento. Passei depois a ler as obras psicografadas por Fancisco Candido Xavier e por um bom tempo me dediquei a leitura de livros espiritas Kardecistas.


Magno Oliveira: Qual seu autor preferido e livro preferido?

Ailton Sales: Não sei dizer há quantos anos não leio um livro. Quanto a autor preferido também não sei dizer. 

Magno Oliveira: Você já pensou em ser escritor e publicar livros?


Ailton Sales: Vários amigos já me perguntaram porque não escrevo um livro, a resposta é... Quem sabe  mais tarde, ainda não me deu vontade. Talvez ainda escreva sobre a minha própria vida, a formação da minha família, quase vinte anos na "estrada", fizeram com que eu colecionasse uma bagagem
razoável de conhecimentos e estórias, muitas estórias.



Magno Oliveira: Ailton para encerrar mesmo vamos fazer um jogo rápido.

Magno Oliveira: Um cantor?


Ailton Sales: Silvio Caldas

Magno Oliveira: U
ma cantora?

Ailton Sales: Angela Maria

Magno Oliveira: U
m ator?

Ailton Sales: Tony Ramos

Magno Oliveira: U
ma atriz?

Ailton Sales: Regina Duarte

Magno Oliveira: U
m programa?

Ailton Sales: Terra da gente

Magno Oliveira: 
Um esportista

Ailton Sales: Eder Jofre

Magno Oliveira: 
Um esporte

Ailton Sales: Natação

Magno Oliveira: 
Um filme

Ailton Sales: Os Dez Mandamentos

Magno Oliveira: 
Um livro



Ailton Sales: O caso de Blidley Murffi ( Prova cientifica da reencarnação)


Magno Oliveira: 
Uma boa pessoa


Ailton Sales: Todas aquelas que vivem para o bem.

Magno Oliveira: U
ma pessoa ruim

Ailton Sales: Todas aquelas que só praticam o mal.

Magno Oliveira: 
Para quem você tira o chapéu

Ailton Sales: Para o ex presidente Lula que conseguiu tirar o Brasil da posição de joelhos e colocá lo de pé, devolvendo lhe a dignidade.

Magno Oliveira: P
ara quem você não tira?

Ailton Sales: Para a grande midia que só pensa em seus interesses, que está sempre do lado dos poderosos.

Magno Oliveira: 
Uma frase para essa geração do século XXI.


Ailton Sales: Que meditem um pouco... Que espécie de vida vão deixar para os seus filhos.









































Comentários

  1. Que pessoas maravilhosas!!!
    Entrevistado e entrevistador, parabéns!
    Abraços cariocas!

    Regina Azevedo.

    ResponderExcluir
  2. [b]Ailton, vc foi leal, transparente e verdadeiro nas suas respostas ao "entrevistador" também coeso.. Concordo c/ várias de suas respostas, rsrs, tbem acho galvão Bueno um mascarado incoerente... (como profissional)Concordo c/ seu parecer d'ante ao LULA...( qto a frase p/ geração futura reentero; -(tenho fé e esperança em q as nações futuras,nos deixarão como herança,estampadas em suas bandeiras brancas, o amor, a Canção e a poesia...lógicamente tdo isso virá com o aprimoramento cultural q tá DECADENTE! abraços Ailton, parabens! Stella*

    ResponderExcluir
  3. Todas aquelas que vivem para o bem como vc AILTON!
    Esta é a geração que desejamos.
    Bela entrevista!Não poderia esperar melhor de um poeta e amigo que nos encanta...Inteligência e
    Consciência.Continue nos brindando com seus preciosos versos neste delicioso chá das 5.
    ABREIJOS!LAURA SANTUCCI-POETISA.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo