Devaneios do Ranzinza por Roberto Prado


Roberto Prado, 49 anos Santos, São Paulo.


Publicou dois livros, é funcionário público. Talentoso escritor, irá escrever aos sábados 10 horas da manhã, no Folhetim Cultural com reprise nas terças ás 20 horas. Pelo Folhetim ainda escreverá uma vez ao mês no Chá das 5.
Blog do Roberto Prado: http://blogdonemesis.blogspot.com/
Twitter do Folhetim: http://twitter.com/#!/folhetimcultura
E-mail do Folhetim Cultural: folhetimcultural@hotmail.com
E-mail do Roberto Prado:
 rpjbarbosa@fazenda.sp.gov.br


Nada a Declarar
Ah! Deus!

Cada dia mais e mais
Sou assolado pela deficiência
De assunto, do quê falar
Nem pergunto o porquê
Sei a resposta
Sim, eu sei
É esse fastio em que (dês) vivo
Já não me satisfaz mais percorrer
Zanzar, deixar os pés me levarem
Circular, peregrinar a esmo
Me deixar perder pelas ruas
Me indago:
“Quem estará mais vazio:
Eu? A cidade à minha volta,
Ou os chãos que (re) piso?”
Vos engano, iludo, ludibrio, tapeio
Tomo de vocês tamanho tempo,
Tão precioso, me lendo
Buscando entender o que tento dizer
Entendam, coisa nenhuma vos digo, nada,
Sim, confesso, sou uma embalagem vazia
Um palco abandonado
Sou a folha de jornal que o vento leva
De volta pelas mesmas ruas
Avenidas, alamedas, becos
Que há tão pouco tempo,
Perdido em pensamentos, passei

Comentários

  1. No fundo

    os nossos caminhos são sempre os mesmos!

    saudações poéticas

    ResponderExcluir
  2. Nada por declarar descarga el peso del poema en
    "Sou a folha de jornal que o vento leva",un paseo por la nostalgia de sí.
    http://enfugayremolino.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá