Gui Bonsiepe lança Design, Cultura e Sociedade no Museu da Casa Brasileira


Designer defende a criação da ciência do design, e afirma que este perdeu sua substância quando se curvou às superficialidades impostas pelo mercado
 
Pioneiro em diferentes campos da teoria do design, entre eles, o uso da retórica na análise da propaganda, o alemão Georg Hans Max Bonsiepe, ou simplesmente Gui Bonsiepe, lança o livro Design, Cultura e Sociedade (Editora Blucher), no dia 16 de agosto no Museu da Casa Brasileira – instituição da Secretaria de Estado da Cultura.
 
Em 270 páginas, Bonsiepe apresenta uma inquietante análise sobre a evolução do design ao longo do século XX, registrando os principais sucessos e descaminhos dessa área profissional. Dividida em 12 capítulos e com apresentação de Itiro Iida, a obra relata o desenvolvimento do design, delineado pelas várias políticas econômicas e sociais, sem deixar de mostrar a vacilante trajetória diante do despreparo, acomodação e oportunismo dos seus principais protagonistas. Segundo o autor, o design perdeu a sua substância no momento em que passou a cuidar das superficialidades, colocando-se a serviço da beleza cosmética e de lucros fáceis do mercado.
 
Gui Bonsiepe ousa ao sugerir a criação de uma ciência do design. Para isso, é necessário tratá-lo como qualquer outra disciplina consolidada da ciência e investir em pesquisa para gerar conhecimentos e formar um sólido arcabouço. Essa nova proposta permitiria criar as bases teóricas e, a partir daí, melhorar a prática projetual. Com isso, o design estaria mais preparado e pronto para oferecer soluções efetivas aos grandes problemas que afligem os povos da América Latina desde a época colonial.
 
Designer formado pela universidade de Stuttgart e pela Hochschule für Gestaltung, de Ulm,Gui Bonsiepe já publicou diversas obras sobre design industrial e comunicação visual, destacando-se: Teoria e pratica del disegno industriale (Milão, 1975), A Tecnologia da Tecnologia (São Paulo, 1985), Interface - Design neu begreifen (Mannheim, 1995), Design: do Material ao Digital (Florianópolis, 1997) e Historia del Diseño en América Latina y El Caribe (co-coordenador, São Paulo, 2008). Trabalhou no Chile, na Argentina e também no Brasil, onde foi pesquisador do CNPq, e criou o Laboratório Brasileiro de Desenho Industrial, em Florianópolis, Santa Catarina. Atualmente, vive entre a capital catarinense e a cidade de La Plata, na Argentina.
 
Sobre Gui Bonsiepe
Gui Bonsiepe atuou com professor titular do Departamento de Design Industrial e Comunicação Visual da hfg-ulm (Hochschule für Gestaltung, Ulm -- 1955-1959), até o fechamento da universidade, em 1968. Após isso, mudou-se para América Latina. No Chile, participou de um programa de assessoramento às pequenas e médias empresas em questões de design industrial (1968-1970), e criou a área de Desenvolvimento de Produtos no Comitê de Investigações Tecnológicas (1971-1973). Na Argentina, criou a área de Desenvolvimento de Produtos, no Instituto Nacional de Tecnologia Industrial (1974-1976). No Brasil, criou e coordenou o Laboratório Brasileiro de Desenho Industrial - lbdi, em Florianópolis (1984-1987). Trabalhou em escritórios de projeto e foi docente em diversas universidades latino-americanas, europeias, norte-americanas e asiáticas, como a Escola Superior de Desenho Industrial - esdi (Rio de Janeiro), Universidade de Ciências Aplicadas (Köln) e Universidade das Artes (Zurich). Ocupou a vice-presidência do International Council of Societies of Industrial Design - icsid (1973-1975).
 
Ficha Técnica
Livro: Design, Cultura e Sociedade
Autor: Gui Bonsiepe
Editora: Blucher
ISBN: 9788521205326
Páginas: 270
Formato: 20,5 x 25,5 cm
Ano de publicação: 2011

Fonte: A4 Comunicação
Postagem: Magno Oliveira

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo