CONTADORES DE MENTIRA INAUGURAM TEATRO




 Impossível falar da história do teatro em Suzano nos últimos 18 anos sem perceber a interferência do grupo Contadores de Mentira, residente no município desde 1995.

                O grupo Contadores de Mentira atua em Suzano, na grande São Paulo desde 1995 e é pioneiro de um movimento, hoje fortalecido e na base histórica teatral do Alto Tietê. Foi o primeiro grupo a adotar Suzano como "residência" e o primeiro grupo a propor novos espaços forçando a comunidade de Suzano a "exercitar o olhar" para um teatro voltado aos rituais, à pesquisa de linguagens e à necessidade de organização e com o olhar para a comunidade à sua volta.
 
                Os Contadores descobriram cedo que é necessário se organizar em coletivos, lutar por políticas públicas, e que dialogar com a comunidade é tão importante quanto a obra teatral. Um projeto de grupo é mais importante que um espetáculo isolado. É um grupo que atua no teatro, focado nos rituais populares, a antropologia, mas também atuam como "brincantes populares", como associação, como comunicação de Mídia Livre. "Dizemos com orgulho e com calos nas mãos, que participamos de todos os movimentos voltados ao teatro nos últimos anos. Os grupos que surgiram nos últimos anos, às vezes não tem idéia dos nossos sacrifícios no passado.", relata Cleiton Pereira, diretor do grupo desde o início da sua fundação.



 
                O grupo foi reconhecido, pelo Ministério da Cultura  em 2009 e também em 2010, através do Prêmio Pontos de Mídia Livre, do Programa Cultura Viva do Ministério da Cultura. Também recebeu o Prêmio Ensaiando Um País Melhor.  Em 2012 o grupo foi convidado pela SESC TV para a gravação do programa Teatro e Circunstância.  Programa de uma hora de duração que documenta e mapeia os principais grupos de teatro do Brasil. Ainda em 2012 foi o representante brasileiro no Circuito de Teatro Português com grupos de Angola, Moçambique, Portugal, entre outros.

                Para quem não conhece o grupo ou que acompanha o teatro de Suzano apenas pela história recente, talvez não saiba que o grupo impulsionou a ocupação de espaços de uma forma original radicalizando as linguagens ao longo dos anos. O grupo ocupou a Biblioteca Pública Municipal durante vários anos, realizando espetáculos à luz de velas, com refletores construídos artesanalmente e cujas apresentações foram históricas para o teatro da cidade. Desde sua fundação há mais de 17 anos, os Contadores de Mentira produziram espetáculos emblemáticos: Foram mais de 20 espetáculos, entre eles: "Coma-me" (2000 a 2004), "ALICE C. " (1999 a 2000), "O Incrível Homem Pelo Avesso" (2011 a 2013), "Curra-Temperos Sobre Medéia" (2008 a 2013) que rendeu ao grupo mais de 200 apresentações, convites, parcerias, prêmios e a indicação ao Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro em 2012. Outro projeto importante dos Contadores de Mentira, que revela a sua inquietude e conduta em relação à cidade de Suzano é o Ponto de Mídia Livre "TV CONTADORES DE MENTIRA" premiada pelo Ministério da Cultura em dois anos consecutivos. O projeto da TV criou conteúdos audiovisuais cujo foco principal é contar a história do cidadão comum que também ajudou e ajuda a construir a história da cidade.


As mais lidas da semana

Ídolos do Brasil Homenageia Ayrton Senna 

No Café da Manhã com Poesia: Seu Sorriso

PONTO DE CULTURA OPERETA – PROJETO MÃOS À OBRA apresenta a montagem ‘O Homem de La Mancha’

Chá das 5 com Regina Azevedo

Fundação Bienal de São Paulo tem novo presidente‏



                Depois de tantos anos produzindo juntos, com público cativo e por conseqüência dos anos de luta, no próximo dia 23 de fevereiro o grupo inaugura o Teatro Contadores de Mentira, situado na Rua Major Pinheiro Froes, 530 - Parque Maria Helena - Suzano. "Optamos pelo outro lado da linha, porque sempre estivemos localizados às margens, nos movimentos das periferias e nos sentimos à vontade em trabalhar em áreas sem acesso à bens culturais.", diz Drico de Oliveira, ator fiel ao grupo desde sua fundação.

O Teatro Contadores de Mentira proporá, além de apresentações, oficinas culturais,  realização de redes colaborativas com  artistas da cidade e de outros municípios. O espaço representa para o grupo liberdade, há tempos falávamos sobre uma "casa" onde pudéssemos mergulhar em nossas necessidades, em nossas pesquisas, em nossos trabalhos, e ao mesmo tempo compartilhar aprendizado e pensamento, diz Daniele Santana, atriz do grupo.

                Os Contadores de Mentira possui tradição na cidade. Uma tradição construída com raízes sólidas na própria identidade histórica. É um grupo que acredita nas potências criativas da região, que atua em rede, que possui vínculos com outros grupos e movimentos sociais e cuja produção já é reconhecida pelos principais grupos de teatro do país e outros da América Latina.
                No dia 23 às 19h de forma gratuita, o grupo fará uma apresentação simbólica para contar seus 17 anos de história. E no dia 24 às 19h o Teatro receberá a Cia. do Escândalo com o espetáculo "O Sequestro do Secretário de Cultura", a peça é parte da inauguração do espaço e também será gratuita. Autoridades, artistas e público poderão celebrar a inauguração da nova "casa" de cultura da cidade.


Leia também

Magno Oliveira entrevista Lucília Garcez

Palavras da Carolina

Educativo Bienal realiza primeiro encontro aberto de formação em arte contemporânea de 2013

Devaneios do Ranzinza: DIÁLOGO SOBRE TERNOS, CASAMENTOS E PREVISÕES

Editora Prumo relança títulos de sucesso do jornalista e escritor José Louzeiro


 Será muito especial receber a Cia. do Escândalo em nossa casa, porque há anos cultivamos uma parceria muito forte , e nosso grupo também foi o primeiro a se apresentar no Galpão Arthur Netto, espaço da cia, ou seja, o grupo certo pra abrir este caminho junto com a gente, comenta Daniele.

Serviço:

As inscrições para as oficinas de teatro, dança e circo, estarão abertas a partir do dia 25 de fevereiro, das 10h às 17h, de segunda a sexta-feira, no próprio local.

Outras informações pelo telefone 9 9852-9968.
               

 
UM TEATRO DE CELEBRAÇÃO

                 Chamamos nosso teatro de “Celebração”. Em algum momento na construção de nosso grupo percebemos nas manifestações populares, nas rezadeiras, nas celebrações religiosas, nas danças orientais, um fenômeno que nos tocava e nos perguntávamos por que aquilo nos envolvia, era o resultado de uma série de perguntas que ainda fazemos para justificar algumas de nossas escolhas. Em alguns anos percebemos uma dramaturgia em nosso corpo, às vezes estranho à formação tradicional de atores, mas com capacidade criativa inerente. Percebemos que era possível celebrar o tema e não apenas interpretá-lo na dramaturgia da razão. Optamos ao longo do tempo em celebrar a relação entre platéia, artistas, obra, instante. Percebemos que é possível contar uma história pela lembrança, pela imagem, pelo cheiro, pela dança, pela comida, pela cachaça, pela sombra, pela escuridão, pela luz, pelo silêncio. Percebemos também que o público não precisa ser apenas observador, que é generoso ao nos dedicar algumas poucas horas para o efêmero, para o encontro. Encontramos nas tradições também a idéia de que nosso ofício é próxima a do artesão, somos artesões teatrais.

 Assim, como o alfaiate, como o chapeleiro que trabalham incansavelmente para produzir um belo chapéu, uma calça. Celebração, Antropologia, Observação, Simbolismos, efêmeros, Brincantes, Potências, Corpos são eixos de nosso teatro.

                A “Celebração” nos move, pois não temos interesse, embora não recusemos totalmente, em criar uma obra didática sobre os temas. Nossa intenção é celebrar a história, as pessoas, as guerras, a memória, o sentimento de recusa, e, sobretudo o próprio ato teatral.

                Temos por princípio a recusa e o que nos move ainda são recortes, imagens, pequenas fraturas, e a consciência de nosso “caminho”. Sabemos que arriscaremos para além do sucesso ou fracasso, e que seremos transformados de alguma forma. Sabemos que será um mergulho intenso, pois o que nos move são as mesmas questões que poderiam nos condenar à impotência criativa. O que nos move é desenvolver da técnica do ator à nossa organização interna, nossa ética ao modo de resolver os problemas econômicos, e sermos íntegros com a obra que ao longo dos ensaios nos indica que caminho seguir. Tentamos sempre encarar onde estão as nossas potências. Alguém que cozinha bem certamente poderá cozinhar em cena e compartilhar seu conhecimento, alguém que toca um tambor pode ser potência e irradiar a dança para outros. Público, Artistas, amigos, podem se sentir à vontade e contribuir para “desenterrar” os temas que estamos propondo ao longo da vida. Este é o caminho da celebração que escolhemos e temos como base para a pesquisa.

                É por este caminho que nos identificamos com muitos grupos ao redor do mundo. Há tempos meu grupo: “Contadores de Mentira” criamos redes colaborativas com grupos parceiros. Essas redes nos ajudaram a encontrar criadores que vivem experiências de resistência e quanto mais percorremos percebemos que há muitas histórias que se confundem no Brasil e na América Latina. Histórias de grupos que atuam e recusam os “guetos”, que a partir da precariedade desenvolvem estudos consistentes, que constroem um processo de formação contínua para toda a vida. Pensamos quais são os mestres que nos indicam onde encontrar o passado. Quais origens podem nos indicar um caminho mais doloroso e ao mesmo tempo transformador.

Em junho primeira edição da revista digital Folhetim Cultural solicite e receba via e-mail: folhetimcultural@hotmail.com

Foto retirada da internet
Fonte: Contadores de Mentira
Postagem: Magno Oliveira



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo