Devaneios do Ranzinza: SURPRESA! SURPRESA!


Roberto Prado colabora com o Folhetim Cultural desde o início de 2011, Devaneios do Ranzinza a partir deste ano todas ás segundas 18 horas e o Chá das 5 uma vez ao mês no sábado. Roberto Prado já publicou dois livros pela (CBJE) Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Gringas e Outras Histórias está na segunda edição.
Blog de Roberto Prado: http://blogdonemesis.blogspot.com.br/



SURPRESA! SURPRESA!

  

Em meio à chuva, já dá para ver a Mansão no alto da colina, os limpadores dos pára-brisas vão e voltam freneticamente, e dentro a fumaça do cigarro atrapalha ainda mais a visão do motorista que tenta limpar desesperadamente o vapor que embaça as janelas do carro.

Ele pensa no contrato que traz no bolso do paletó.

- Quem em sã consciência faria uma festa aqui? Estou achando que é mais uma roubada... – pensa enquanto arruma a bolinha vermelha na ponta do nariz.

Faz uma curva fechada, o carro quase capota numa poça d’água e bate num carvalho, mas ainda assim fura o pneu traseiro esquerdo.

- Droga, droga, droga, onde vou arrumar lugar para trocar essa porcaria agora? Se sair nessa água vai borrar a minha maquiagem! – Resmunga enquanto bate com as mãos no volante, assustando-se com a busina.

Resolve seguir em frente assim mesmo, afinal não falta muito para chegar à mansão...

Enquanto isso lá dentro a escuridão toma conta de quase todos os cômodos, sim quase todos, pois no grande salão Sul, uma multidão está reunida. Hoje é aniversário do filho caçula do dono da mansão. Uma grande surpresa está sendo preparada para ele, uma surpresa que na verdade é uma tradição que passa de pai para filho a gerações e gerações.

Um grande jantar, convidados, amigos da família, que também vem de gerações...

Escurece, já é quase noite fechada, a chuva engrossa ainda mais e agora seguida de raios e trovões, trovões que fazem a estrutura da velha casa tremer. Mas a casa é tão velha quanto sólida, nada a derrubará, assim sempre foi, e assim sempre será, sólida e eterna.

Com dificuldade o carro lentamente faz a última e mais íngreme das curvas - a roda já está comprometida – reclama o motorista dando outro soco no volante e novamente tocando a busina sem querer.

Dentro da mansão...

- Papai você escutou uma busina de carro? – pergunta a criança excitada puxando a manga da casaca do pai.

- Sim, ele já deve estar chegando, escondam-se para surpresa.

Os convidados, com risinhos infantis, correm e procuram um lugar para esconderem-se, em pouco segundo reina o mais absoluto silêncio.

O carro chega ao portão da mansarda, que automaticamente abre-se para dar passagem. Ao atravessar o carro, ele fecha-se ruidosamente, provocando um calafrio nas costas do motorista. – Beleza, só faltava ficar resfriado agora- reclama, mas antes de socar outra vez o volante, lembra-se da busina e soca o banco vazio do passageiro. Com dificuldade consegue soltar o sapato dos pedais do carro.

Ele desce do automóvel, corre para a porta da frente da casa e bate na aldrava, que produz um som seco que ecoa de forma fantasmagórica pelo interior da casa, provocando-lhe outro calafrio na espinha. – pronto, estou mesmo resfriado! – reclama puxando os suspensórios da larga e colorida calça, e não tendo o que socar, chuta a porta que se abre com um rangido triste e choroso.

Ele entra na sala, deixando atrás de si grandes pegadas molhadas, segue até uma grande mesa onde uma vela ilumina um bilhete.

- Siga até o Grande Salão, entre sem fazer barulho- ele lê.

Enxugando com o bilhete as gotas de chuva em sua testa, ele segue para o Grande Salão Sul, tendo somente uma vela, a que ilumina a mesa, para guiá-lo naquelas trevas.

- Só falta ter manchado a maquiagem... – reclama e dá um soco na perna direita.

Seus sapatos grandes, largos e encharcados fazem um estranho barulho no chão, que ecoando pelas paredes deixa a escuridão ainda mais assustadora. O silêncio o deixa preocupado, teria errado de endereço?

- Não? Impossível, só havia essa casa nesse lugar esquecido por Deus! – responde a sim mesmo enquanto arruma outra vez o nariz vermelho.

Enfim ele chega ao Grande Salão Sul, encosta a cabeça na porta, silêncio, não ouve nada, nadinha.

Ele bate na porta.

Ninguém responde.

Dentro do Grande Salão Sul, o pai coloca o dedo indicador sobre os lábios e olha para o filho pedindo silêncio, afinal era uma surpresa, não era?

Com outro rangido, a porta de carvalho do Grande Salão Sul abre-se e ele vê um enorme salão totalmente vazio, silencioso e escuro.

- Alô? Alô? Tem alguém aí? – grita, enquanto sente outro calafrio e amaldiçoa o pneu furado do carro. Alô, quem foi que contratou o palhaço aqui?

E, surpreso, antes que pudesse falar mais uma palavra, contar uma mísera piada, o pequeno aniversariante pulou em sua jugular e começou a sorver o seu sangue quente, manchando de vermelho a maquiagem branca de sua cara.

Orgulhoso o vampiro-pai comenta com seus amigos, também vampiros:

- Ah! Essas crianças... Às vezes penso que eu o mimo demais. No meu tempo não tinha essa história de ter palhaços em festas de aniversários...





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo