Rock in Rio 2011: Red Hot Chili Peppers empolga apenas com hits do passado

Fonte: Vicente Seda, iG Rio de Janeiro 25/09/2011 01:59


Novo guitarrista sofre para substituir John Frusciante e público só vibra com sucessos de ‘Californication’ e ‘Blood, sugar, sex and magik’

Banda principal do segundo dia de Rock in Rio, o Red Hot Chili Peppers deixou duas impressões bem nítidas: o último álbum,” I’m with you”, sequer se aproxima em popularidade entre os brasileiros de “Californication” e “Blood, sugar, sex and magik”, e o guitarrista Josh Klinghoffer realmente sofre para substituir John Frusciante. Não que o atual membro da banda californiana seja ruim, longe disso, mas igualmente distante de ser um fora de série, como o integrante que participou das composições que mais fizeram os brasileiros pularem.



No fim da noite, todos os integrantes voltaram ao palco para o bis com a camisa que estampava o rosto de Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães morto por atropelamento em 2010. Rafael era fanático pela banda e completaria 20 anos neste sábado. “Happy birthday, Rafa. Live up man, live up!” (Feliz aniversário, Rafa. Viva cara, viva!), disse Anthony Kiedis.


Foto: Reprodução
Anthony Kiedis com a camiseta em homenagem a Rafael Mascarenhas
O show, que durou pouco mais de 1h40, começou morno. “Monarchy of roses” agradou, mas não chegou a empolgar. Mas isso mudou em seguida, quando foram ouvidos os primeiros acordes de “Can’t stop”, do disco “By the way”. A Cidade do Rock pulou com uma das poucas pérolas de funk/rock que ainda resistem no novo repertório da banda, que hoje se prende a um estilo menos experimental que a levou ao mainstream.
O Red Hot Chili Peppers parece se distanciar cada vez mais da banda dos anos 80 e 90. Os seus shows, antes repletos de improvisos, muitas vezes com covers pouco ensaiados de Jimi Hendrix e outros virtuoses, desta vez contou apenas coma badalada “Higher ground”, de Stevie Wonder, gravada em estúdio no disco “Mother’s milk”. Anthony Kiedis também aparenta estar mais centrado, menos endiabrado. Apesar de não dever nada em energia, o cantor pouco se comunica com o público, função que coube boa parte das vezes ao baixista Flea, um monstro, bem como o baterista Chad Smith, que chegou a fazer jam em ritmo de samba com o percussionista brasileiro Mauro Refosco, outro que mostrou habilidade ímpar.
Josh, por sua vez, dava a entender que estava mais preocupado em ser rápido do que qualquer outra coisa. Nenhum dos seus solos durou mais do que segundos, também sem impressionar pela melodia ou pela técnica. Um tapa buraco. A diferença ficou mais do que evidente em “Under The bridge”. Que falta fizeram os arpejos de Frusciante.

Outros bons momentos do show foram os hits “Californication”, “Other side” e “Dani California”, ao lado de solos cheios de suingue de Flea, abusando do slap, sua marca registrada. Cantou sozinho “Pea”, do “One hot minute”. O baixista anunciou de forma curiosa “Me and my friends”. “Esta música nós escrevemos enquanto muitos de vocês eram pequenos espermatozoides nos testículos dos seus pais. Foi escrita em BT, before testicles (AT, antes dos testículos)”, avisou Flea.
A banda saiu do palco logo após “By the way”, outro hit que tirou os fãs do chão. A primeira parte da apresentação foi encerrada com um simples “obrigado” de Kiedis. No retorno, logo após o solo de Chad com o percussionista brasileiro, a introdução pesadíssima de “Around the world” levou o público ao delírio. Na sequência, “Blood, sugar, sex and magik” e outra rápida frase do vocalista: “We got more (Nós temos mais)”. A fatura foi fechada com o maior clássico da banda, “Give it away”. Kieds se despediu dizendo: “We love you, yes we do (Nós amamos você, amamos sim)”. Flea novamente assumiu o microfone para completar: “Obrigado por todos esses anos de amor e apoio”. Uma despedida mecânica, bem ensaiada, como foi a maior parte do show do Red Hot Chili Peppers.
"Monarchy of roses"
"Can’t stop"
"Charlie"
"Other side"
"Look around"
"Dani California"
"Under the bridge"
"Throw away"
"Pea"
"The adventures of rain dance Maggie"
"Me and my friends"
"Did I let it go"
"Higher ground"
"Californication"
"By the way"
BIS
"Around the world"
"Blood, sugar, sex and magik"
"Give it away"
Postagem: Magno Oliveira




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo