Sucesso de "O Astro" faz Globo pensar em faixa de novela às 23h


Quem matou Salomão Hayalla (Daniel Filho) está longe de ser a maior questão de "O Astro". A Globo quer é saber o que fará a audiência voltar a levitar na faixa das 23h assim que a macrossérie --ou "novelão"-- acabar.

O remake não manteve os 28 pontos da estreia (cada ponto equivale a 58 mil domicílios na Grande SP). Ainda assim, os truques de Herculano Quintanilha (Rodrigo Lombardi) acabaram com o coelho na cartola da Record: a nova edição de "A Fazenda" não rendeu o esperado.
Com média no país na faixa dos 20 pontos (aferição do Painel Nacional de Televisão), "O Astro" engoliu a concorrência e fez subir a audiência da emissora nesse horário em 25% em relação ao mesmo período em 2010.
Adilson Lucas/AgNews
Rodrigo Lombardi e Carolina Ferraz em Gravação de "O Astro" na Praia do Recreio dos Bandeirantes
Rodrigo Lombardi e Carolina Ferraz em Gravação de "O Astro" na Praia do Recreio dos Bandeirantes

A média animou o canal a criar uma nova faixa de novelas às 23h. Ainda não há nada decidido para 2012, mas a Globo diz que novos formatos virão, talvez intercalados com séries menores.
Formato menor, mais liberdade e qualidade: a faixa já é cobiçada entre autores.
"O horário é ótimo, porque possibilita histórias mais intensas, mais liberdade, já que a classificação indicativa, na prática, equivale a uma censura", diz Walcyr Carrasco, autor de "Morde & Assopra".
Como a faixa das 23h é inadequada para menores de 18 anos, cenas de nudez e de violência ganham vez, ao lado de temas moderninhos demais para mais cedo.
Mesmo assim, há quem defenda que o espaço seja reservado apenas para remakes de clássicos da dramaturgia.
Nessa fila já está "Que Rei Sou Eu?", sucesso que ganhará nova versão pelas mãos de Maria Adelaide Amaral.
"O formato menor é um conforto total para quem assiste e para quem escreve. É a possibilidade de fazer uma obra mais enxuta, com qualidade de minissérie", diz.
"Para começar, seria interessante resgatar e atualizar novelas caras ao público."
Maria Adelaide não descarta, porém, a criação de novelas para o horário. Intercaladas com séries menores, elas seriam a preferência de Ricardo Linhares, autor de "Insensato Coração".
Já Manoel Carlos não vê limites para a nova faixa. "Remakes, obras originais, adaptações de romances: já tivemos na Globo, com sucesso, essa faixa de novela, que permite liberdade na escolha da condução de histórias", diz.

Fonte: Folha Ilustrada
Postagem: Magno Oliveira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”