Sentires Poéticos por Ianê Mello



Sempre encontrei verdadeiro fascínio na poesia, sendo por ela constantemente atraída,
por sua forma subjetiva e rica de expor sentimentos e idéias com profundo lirismo.
Quando comecei a escrever algumas linhas, na minha adolescência, foi através da forma 
poética que encontrei expressão. Os versos fluíam tão naturalmente e com tamanha
facilidade que não pensava nas palavras, elas vinham e se apossavam de mim (risos). 
Me sentia um mero instrumento daquele "algo" que de mim se apoderava, a inspiração.
Com o passar do tempo fui encontrando novas formas de expressão, como o conto e a
crônica, encontrando prazer e desenvolvendo uma fluência na escrita desses gêneros,
         mas a poesia continua sendo a minha paixão e a minha catarse.




Biografia


         Nascida no Rio de Janeiro (RJ).


É educadora e pós-graduada em Pedagogia
Identificada com as diversas propostas em textos literários, escreve também com 
resultados diversificados.



Seus textos incluem contos, crônicas, aforismos, haicais e poesias.



Alguns deles são publicados na internet, em sites, blogs e revistas eletrônicas.



Escreveu um livro de contos "Rocktales - Contos do Rock"" com o escritor Beto Palaio, a ser publicado em breve.

Links Externos

Blogs Pessoais:

Labirintos da Alma - http://labirintosdaalma.blogspot.com/


Outras Formas de Expressão - http://ianemello.blogspot.com/

Diálogos Poéticos http://dialogospoeticosimello.blogspot.com/

Meus Vídeo-poemas http://ianemellomeusvideopoemas.blogspot.com/

Entre Gêneros http://entregenerosimello.blogspot.com/

Participação como Colunista:

Comunidade Literária Benfazeja

Revista Contemporartes


Textos na Internet:

Comunidade Literária Benfazeja - http://www.benfazeja.com/

Antologia Momento Litero-Cultural

Revista Zunai


Facebook:


Grito Criativo

https://www.facebook.com/groups/poeticadoencontro/?notif_t=group_activity

Grupos do facebook nos quais participa:

Vidráguas 

Contato: ianerubens@gmail.com

iane.mello@hotmail.com
Por Ianê Mello



Conto, por Ianê Mello



Eles eram um casal. Um casal normal como qualquer outro casal vindo de um longo relacionamento. Já estavam juntos há  vinte anos. Alguns desses felizes, outros não. Estavam acostumados um com o outro e não sei se isso é bom ou ruim, na verdade. Nada no comportamento do outro surpreendia. Era tudo previsível demais. Essa previsibilidade tornava sua convivência estável e, por vezes, monótona. A monotonia pode ocasionar para alguns um desejo por novidades, por algo que able as estruturas. Isso pode gerar um problema. Ele sabia de cor todas as linhas de seu rosto amado. Sua testa larga, seus profundos olhos castanhos, seu nariz afilado, sua boca fina e rósea, seus cabelos castanhos emoldurando seu rosto como uma bela moldura num quadro. Bela mulher! Madura já em seus traços, afinal, tinha cinquenta e dois anos. Madura e bela. Seu corpo bem torneado, cintura fina, seios pequenos e largos quadris, seguidos de longas e bem feitas pernas. Corpo desejável e belo, embora maduro. Ele a queria muito. Tinha certeza de seu amor por ela. Nessa mulher encontrara a paz para os seus dias. Mas era tanta paz que ás vezes incomodava. por que será que a paz incomoda? Não é, afinal, a ela que almejamos. contradições do ser humano. Quando a encontramos, dá uma coceirinha estranha para que algo abale essa paz conquistada. Vá lá saber o porque! Assim ele se sentia. Mas a amava acima de tudo. Não poderia sequer supor perdê-la. Isso o impedia de ter uma aventura qualquer que pudesse abalar seu relacionamento, mas seu coração, ao mesmo tempo, pedia para viver essa aventura. Ele lutava consigo mesmo, enquanto olhava para ela, em seu semblante plácido, tranquilo, seu remanso, seu rio de águas claras e serenas. Mergulhava, então, em suas águas profundas e bebia o mais que podia dessa fonte geradora de amor. Nesses momentos esquecia de suas inquietações e desejos. Se perdia nela e se encontrava novamente. Ela se abria inteira, entregue, pronta, fruto maduro. Ele sorvia seu néctar inebriado. Respirava seu cheiro de mulher. Beijava sua boca e nela entrelaçavam sua línguas, numa valsa cadenciada. Sentia o gosto já conhecido, mas não menos amado dessa mulher que é sua, sem surpresas. Enterrava a cabeça entre seus longos cabelos cheirando a jasmin e se sentia num jardim paradisíaco. Tudo era conhecido, mas belo. Para quê buscar noutros corpos uma satisfação momentânea, para aplacar seu desejo de algo novo? Arriscar-se a perder a mulher que para ele era tudo, era a sua vida. Tolice, devia estar ficando louco. A idade o estava fazendo querer coisas absurdas. "Estou com medo de envelhecer, é isso!" Ele pensa e sorri para si mesmo aliviado. Olha sua mulher, a mulher por ele amada, dentro de seus olhos e diz, com toda a sua emoção:
- Eu te amo!
É outono. As folhas caem das árvores, amarelecidas, bailando no ar. Bela dança outonal. Eles sorriem um para o outro e se abraçam fortemente. Estão juntos e em paz. Essa é a verdadeira felicidade.

E-mail do Folhetim Cultural: folhetimcultural@hotmail.com
Twitter de Ianê Mello: http://twitter.com/#!/ianemello
Twitter do Folhetim Cultural: http://twitter.com/#!/FolhetimCultura



Todas ás segundas feiras aqui no Folhetim Cultural ás 20 horas Sentires Poéticos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”