Diário de uma adolescente: ->Quem sabe em outro verão...


->Quem sabe em outro verão...

Calor? Antes fosse calor! Era o inferno imposto na Terra... Nada, nada: 50°. Ou mais.

Ele estava nervoso, impaciente. Os primos gritavam. Os primos corriam, derrubavam as coisas, as bicicletas. A tia não achava o macarrão que havia comprado no mercadinho da esquina, a mãe discutia com o pai pelas olhadas nada discretas na moça que passava não com seu shorts Jeans, mas sim “calcinha jeans”, por seu tamanho minúsculo.

A sua irmã empoleirada nos braços do namorado, em uma luta vertical completamente imprópria para o horário, ignorava sem pudor algum, o avô que dava resmungos audíveis de raiva pelo atraso sem tamanho para o atrativo que mais se esperava: La Praia!

Quando chegaram as férias nosso caro herói tremeu na base. Parecia faltar tanto tempo... Mas não! Como noticia ruim vem tão rápido quanto rasteiro, a idéia de que a família se juntaria todinha em uma casinha de três cômodos logo se transformou em realidade, e enquanto o povão se apertava em dois carrinhos compactos, acompanhados de bola, cachorro, papagaio e vizinha penetra, o moço se debulhava em tédio e desespero vendo aquela cena humilhante.
Seguindo os carrinhos descendo a serra com sua moto, ele envergonhado observava a mistura de gente se engalfinhando ao som de uma música tecno-brega nas caixinhas de fósforo . Para ele isso não era idéia de férias. No mínimo seria CASTIGO de pelo menos três vidas de serial-killer. E nesta encarnação ele estava apagando. Ah! Se estava...

Quando chegaram no “projeto-de-casa-de-veraneio” reinou o caos.
E ai nos encontramos na cena em que iniciamos tal aventura, onde nosso amigo nas quatro primeiras horas enclausurado já pedia perdão por todos pecados que havia cometido e os que viria a cometer. Aves- Maria, Pais-Nosso, e outras tantas rezas, pedindo paciência à Deus, Buda... Qualquer coisa divina.

Não que ele fosse Anti-Social. Ou Anti-Familiar. Na verdade ele era contra farofada mesmo. Coisa que essa gente tinha cinco faculdades do assunto. Breguice e falta de senso no ultimo. Mas para não dizerem que ele não gosta de ninguém, para não provocar a avó que vive a chorar por um neto desalmado, que qualquer hora o desgosto acarretaria em um ataque cardíaco fulminante, ele desistiu, a contra gosto  e foi.

Bagunça armada, organização de menos. Todo mundo correndo, se esgoelando, se matando, gente atrás de biquíni, chinelo, crianças... Cadê as crianças? Sumiram! Ah não, ok! Ainda estão matando o cachorro lá na frente. Sunga, isopor. Cadê o isopor? Gritos, gritos e mais gritos. E nosso querido judiado perdendo o pouco que lhe resta de estribeiras.
Mas então aconteceu o pior que poderia acontecer, a tia sai dos fundos e berra:

-Já desossei o frango, cadê a “Tapué” (leia-se Tupperware) pra pode colocar no isopô? (leia-se Isopor)

Bem, isso foi demais para o coração do rapaz! Frango assado na praia? Cumulo dos cumulos! Levantou num pulo, jogou a mochila nas costas, caçou a chave da moto e seu capacete. Ninguém entendia nada, enquanto ele chutava tudo o que impedisse sua fuga. A irmã descolando finalmente do namoradinho funkeiro indaga:
-Já vai?
-É muito para meus nervos. Todos vocês! Se não querem me ver de pulsos cortados nem tentem me impedir! –esbraveja o moço enquanto subia na moto- QUEM SABE EM OUTRO VERÃO!!! – Despediu-se enquanto a moto rugia e partia mais rápido do que os brega’s family poderiam notar de tão perplexos estavam.
“Ou não...” completou em sua mente, enquanto sentia o vento e a liberdade batendo em seu rosto...


Bárbara Fernanda

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo