Magno Oliveira entrevista a atriz Ananda Oliveira

 


Como você conheceu a Associação Cultural Opereta?

A Opereta eu conheço há muito tempo eu acho que desde quando eles começaram, no começo da década de 90, eu não sei te precisar muito bem o ano...

94...

Então eu sempre tive contato com o processo deles e projetos desenvolvidos na cidade e fui conhecendo assim, agora participar mesmo, é eu comecei a participar do Ponto de Cultura com o Willian Ferro (Instrutor do Ponto de Cultura) ai no ano passado comecei com artes cênicas e desde então estamos em atividade.

O que a sua personagem Aldonza/Ducineia tem haver com você?

(pausa) Comigo?

É que tem em comum?

A Dulcineia na verdade eu acho que não tem nada mesmo, a Dulcineia só existe na imaginação do Dom Quixote ela é uma mulher ideal, mas bem ideal mesmo, ela é como todo homem acha que uma mulher deve ser e a Aldonza eu acho que... (uma pausa) a gente ás vezes compartilha um pouco de amargura, mas ela é muito mais extremada do que eu.

Como foi o processo para que você encontrasse a personagem?

Encontrar a personagem Aldonza foi muito díficil, como eu falei eu sou mais tranquila e a Aldonza ela têm que falar alto, ela é ríspida então foi muito díficil, então foi díficil achar um lugar confortável para eu fazer e acabou rolando an amarguar da pessoa mesm, a história que ela foi abandonada numa cocheira, com fome, com frio ai você pensa nessas coisas e incorpora aquela amargura da vida e incorpora.

É, faça um pararelo entre o processo no seu início a primeira e a segunda apresentação na Opereta e a apresentação de hoje.

Meu foi legal tívemos diversos problemas, só que foi isso tudo muitas vezes, eu pelo menos duvidei que ia sair, mas a gente conseguiu formar uma equipe e conseguimos que tudo se saísse bem a gente estava super apreensivo da primeira vez que a gente se apresentou na Opereta foi mágico, o teatro é um lance muito louco. Em relação a apresentação de hoje o problema era o lugar gigante 800 lugares, sem microfone, a gente teve que gritar, falar, sabe acho que essa foi a grande dificuldade assim.

Como que você avalia o trabalho da Opereta?

Se for avaliar em nota a máxima possível. A Opereta é foda. Ninguém faz um trabalho parecido assim aqui na cidade. Meu é mágico mesmo. Você acreditar num sonho, a história da Opereta é igual a do Dom Quixote essa coisa de você acreditar num sonho, eles sempre acreditaram e andaram para frente, de onde ele vieram e onde estão hoje o que eles oferecem para as pessoas é um lance muito louco.

Você pretende continuar na Opereta?

Então... Eu não tenho pretensão de ser atriz, na verdade eu entrei por questão de um processo bem individual mesmo, era uma coisa que eu precisava, eu pretendo continuar na Opereta sim, mas com essa peça eu já avisei que não vou continuar, eu estou com problemas no trabalho mudança de departamento, problemas para caramba, mas eu gostaria de continuar na medida do possível.

Valeu, Obrigado Ananda...

Entrevista: Magno Oliveira
Entrevistada: Ananda Oliveira


Comentários

  1. A ANANDA É DONA DE UM TALENTO INCRIVEL, UMA FIGURA E TANTO.

    SUCESSO MENINA!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo