Toninho Vaz em tarde de autógrafos e leituras do livro “Solar da Fossa”


O AUTOR NA PRAÇA & EDITORA CASA DA PALAVRA

Apresentam

Toninho Vaz em tarde de autógrafos e leituras do livro “Solar da Fossa”


 “Mandei plantar folhas de sonhos no jardim do Solar” – (Caetano Veloso em “Panis et Circenses”)






Nosso próximo convidado é o jornalista e escritor Toninho Vaz, no dia 9 de março, às 15h, ele estará no Espaço Plínio Marcos em uma tarde de autógrafos e leituras do livro “Solar da Fossa - Um território de liberdade, impertinências, ideias e ousadias”. Contaremos com a participação especial, do músico, escritor e jornalista Gutemberg Guarabyra, que foi um dos moradores do “Solar”, na ocasião também vamos celebrar o Dia Internacional da Mulher com a participação musical de Nanda Maya. O cartunista Junior Lopes participa do evento, realizando caricaturas. Mais informações abaixo.

As mais lidas da última semana
Sobre “Solar da Fossa” – “Era um lugar único e seminal que desenhou coisas ainda vigentes e não devidamente decodificadas: livros, textos, obras, ideias, posições. Não tenho medo de afirmar que as bases estratégicas do Rio contemporâneo, em termos culturais e comportamentais, foram criadas no Solar da Fossa”. (Guilherme Vaz).

Leia também

Um casarão colonial em Botafogo, de dois andares e 85 quartos, que mudou para sempre os rumos da cultura carioca e, por que não? Brasileira. foi o endereço e o abrigo de poetas, compositores, atores, jornalistas, artistas plásticos – loucos, cabeludos e “desbundados” que vinham de todos os cantos do país e encontravam ali o jardim ideal para plantar suas “folhas de sonho” e materializar verdadeiras obras de arte. O local, que hoje é ocupado por um dos maiores shopping centers da cidade, foi a sede de um verdadeiro caldeirão cultural e o cenário de inúmeras histórias engraçadas, românticas e muito polêmicas

De 1964 a 1971, passaram pelo Solar da Fossa alguns dos principais nomes da música popular, teatro, cinema, televisão, imprensa, política e comportamento. Entre os inquilinos que viriam se tornar famosos estão Caetano Veloso, Gal Costa, Paulo Coelho, Paulinho da Viola, Paulo Leminski, Tim Maia, Maria Gladys, Betty Faria, Ítala Nandi, Antônio Pitanga, Marieta Severo, Zé Kéti, Gutemberg Guarabyra, Abel Silva, Cláudio Marzo, Mauro Mendonça, Naná Vasconcelos, Adelzon Alves e Darlene Glória, a maioria na faixa de 23 ou 24 anos. “Se havia um terremoto cultural e político acontecendo na cidade maravilhosa, o Solar era o epicentro”, define o autor. 

Além de aberto e acessível à cidade que o cercava – na verdade, o Rio ia ao Solar para conhecer seus sedutores rapazes e moças, trocar ideias, aprender com eles, beber algumas, praticar certos esportes ilegais ou, o que era comum, namorá-los. O nome “fossa” foi aplicado ao Solar em 1967 pelo cenógrafo e carnavalesco salgueirense Fernando Pamplona, quando, arrasado, foi morar lá por ter se separado da mulher. 

No Solar foram compostas mais de 15 canções, como “Paisagem útil”, “Alegria, alegria”, de Caetano Veloso; “Sinal Fechado” de Paulinho da Viola; e Paulo Leminski escreveu longas partes de seu romance Catatau. Grupos como o trio Sá-Rodrix-Guarabyra e o Momento 4 se formaram no Solar. Três das primeiras grandes estrelas a posar nuas para uma revista masculina moravam lá: Betty Faria, Ítala Nandi e Tania Scher. Por causa do diretor Kléber Santos, o Solar era quase uma extensão do Teatro Jovem, em Botafogo, onde se gestava a renovação do teatro brasileiro, e do Casa Grande, onde o momento político e cultural era dissecado pelos grandes nomes.

Os moradores do Solar tinham roupa lavada e passada, lençóis, colchas e toalhas trocadas e o chão varrido ou encerado semanalmente, tudo incluído no aluguel. Se quisessem, podiam fazer as refeições lá mesmo, pagando um pouco a mais. Em 1972, o Solar foi demolido para, em 1980, dar lugar ao primeiro shopping center da cidade: o Rio Sul. “Não é difícil imaginar que a destruição de um patrimônio desta natureza (comparável ao Paço Imperial) seria difícil nos dias de hoje, com a imprensa receptiva às denúncias contra crimes ao patrimônio”, arrisca Toninho. Ironia do destino: a imagem do casarão está gravada para sempre no filme Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, de 1967, na sequência aérea do helicóptero que passa por dentro do Túnel Novo.

Para melhor entender e apreciar o fenômeno da contracultura brasileira, o “Solar da Fossa” deveria ir para a lâmina do microscópio. Essa tarefa foi brilhantemente cumprida pelo autor, Toninho Vaz, escritor e jornalista, no livro “Solar da Fossa - Um território de liberdade, impertinências, ideias e ousadias” (Editora Casa da Palavra). Toninho, ele próprio uma das figuras que contribuíram para a consolidação da imagem do Solar como símbolo da vanguarda e da efervescência cultural e política dos anos 1960. Para a pesquisa do livro, foram entrevistadas 100 pessoas. “Até o último minuto para fechar o livro, eu continuava achando ex-moradores do Solar, todos com ótimas lembranças daquela época”, explica Toninho, que conseguiu entrevistas o ex-ministro Cristovam Buarque e o atual ministro Moreira Franco, ambos ex-moradores do Solar. O texto de apresentação foi escrito pelo autor e jornalista Ruy Castro, que morou no Solar aos 19 anos, em dezembro de 1967. Segundo ele, o casarão colonial de dois andares “serviu de incubadora de talentos, ideias e ousadias e mudou para sempre os rumos da cultura brasileira”. O “Solar da Fossa” conta uma linda história de liberdade criativa em uma época de ditadura truculenta.

Sobre o autor - Toninho Vaz nasceu em Curitiba, em 1947. Trabalhou como jornalista no Diário do Paraná, Diário da Tarde, TV Bandeirantes e SBT. Na Rede Globo, atuou como editor por mais de 14 anos. Publicou artigos e reportagens no Jornal do Brasil, O Globo, revista Manchete, ISTOÉ e site NoMínimo.com. É autor das biografias dos poetas Paulo Leminski e Torquato Neto, além do livro ”O Rei do Cinema”, sobre Luiz Severiano Ribeiro.

Sobre Nanda Maya - É Paulista de São Bernardo do Campo, iniciou sua jornada artística há 10 anos, apresentando–se em casas noturnas de São Paulo. Trabalha atualmente na definição de repertório para produção de seu primeiro CD e atua no Projeto Infantil Cantando com as Crianças. Músicas que fazem parte de seu repertório: “Sincera” (Renato Inácio), “Terceiro Copo” (Renato Inácio) e “Olhos Da Alma” (Dandy Poeta Cantador).

Serviço:

O Autor na Praça - Toninho Vaz em tarde de autógrafos e leituras do livro “Solar da Fossa

Espaço Plínio Marcos – Tenda na Feira de Artes da Praça Benedito CalixtoPinheiros
 
Dia 09 de março, sábado, a partir das 15h.

Informações: Edson Lima – 3739 0208 / 95030 5577 - oanp@uol.com.br

Realização: Edson Lima & AAPBC. Apoio: Max Design, Enlace-Media, Restaurante Consulado Mineiro e O Cantinho Português.


Em junho primeira edição da revista digital Folhetim Cultural solicite e receba via e-mail: folhetimcultural@hotmail.com
Postagem Magno Oliveira



  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”