Chá das 5 com Ailton Sales: Jandira

Ailton Sales têm 77 anos hoje aposentado escreve por hobby, todo mês irá dar mostra de seu trabalho aqui no Folhetim Cultural.



Jandira

Homem eu nasci
Vou falar de mulher
Aquela que nunca esqueci
Que não foi uma qualquer
Ela foi a minha primeira.
Quanta saudade me dá
Ao meu lado na carteira
Ensinando me o BE-A-BÁ,
A professora querida
Com amor e dedicação
Colocando em minha vida
Cada dia uma lição.
A sua voz pausada
Transmitindo o seu saber
Toda lição passada
Era fácil de aprender.
Morena cor de canela
Sorrindo sempre contente
A simplicidade dela
Cativava toda  gente.
Digo com toda a franqueza
Na imagem que refletia
O que faltava em beleza
Sobrava em simpatia;
Era muito diferente
O seu jeito de educar
Nunca magoava a gente
Mesmo quando ao castigar.
Sua voz conciliadora
Sempre meiga e carinhosa
Não era de professora
Era de mãe amorosa
Essa mulher que eu descrevo
Digo porque não há esqueci
Cada letra que eu escrevo
Foi com ela que aprendi.
Jandira era o nome dela
Hoje no meu coração
Tem um lugar só para ela
Com a minha gratidão.

Esta é minha homenagem a Dna. Jandira e dedico também a todas as professoras.

Comentários

  1. Sempre majestoso, Ailton!
    Bjus cariocas!

    ResponderExcluir
  2. Amic, excusa si no entenc bé el teu idioma, el comprenc però, i m'ha agradat molt el teu missatge i conéixer el teu bloc. Ara el fique amb els meus bloc preferits i seguirem en contacte.

    Molt agraida per la teua simpatia. Seguirem en contacte.

    Salutacions afectuoses,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco!

Postagens mais visitadas deste blog

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo

Shows do Sampa Crew e Gabriel Corrêa fecham programação do aniversário de Poá

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”