Pré - Libertadores "Corinthians e Tolima" Poderia sido pior.

A vibração deu lugar ao nervosismo. O apoio virou impaciência. Na Libertadores, muitas vezes o Corinthians não parece Corinthians. Sem a força que lhe é característica em jogos decisivos e sem o apoio incondicional da Fiel, o Timão apenas empatou por 0 a 0 com o colombiano Tolima na noite desta quarta-feira, no Pacaembu, em partida válida pela primeira fase da competição sul-americana.
É verdade que o caráter eliminatório do confronto com os colombianos aumentou a pressão sobre o Timão. Se estivesse direto na fase de grupos, talvez a equipe entrasse em campo mais leve. Mas não foi assim. Exagerando nos erros de passe e sem qualquer força de criação, os donos da casa chegaram a ver o Tolima criar problemas. O contra-ataque deles era bem armado, mas a finalização...
Porém, dos males, o menor. Como não sofreu gols no Pacaembu, o Corinthians joga em Ibagué, na Colômbia, na próxima quarta-feira, com a vantagem do empate com gols. Um novo 0 a 0 leva a decisão da vaga na fase de grupos para os pênaltis. Quem vencer, é claro, avança ao Grupo 7, que já conta com o também brasileiro Cruzeiro, o argentino Estudiantes e o paraguaio Guarani.
A delegação alvinegra viaja para a cidade colombiana na noite de domingo, depois do duelo com o São Bernardo, às 19h30m, pela quarta rodada do Paulistão. Nesse jogo, por sinal, a formação será reserva, como já anunciou o técnico Tite.
Ronaldo na partida do Corinthians contra o Tolima (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)












Erro do juiz
Desde o primeiro dia de trabalho em 2011, jogadores e comissão técnica do Corinthians disseram que era preciso ter calma e atenção na Libertadores. Mas quando o assunto é a competição sul-americana, o nervosismo do Timão é maior do que qualquer orientação. E na estreia desta edição não foi diferente.
Bruno Cesar na partida do Corinthians contra o Tolima

(Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)
O toque de bola do Corinthians nos primeiros minutos até que foi envolvente. Mas durou pouco. A pressão em cima do clube é tanta neste torneio que as pernas parecem pesar. Até mesmo a torcida não foi a mesma no primeiro tempo. Quieta em relação a outras oportunidades, mostrou impaciência com os erros de passe.
E foram muitos. Roberto Carlos, Alessandro, Jucilei, Bruno César, Dentinho, Ronaldo... Todos erraram bastante. O nervosismo era visível. E o Tolima, sem pressão alguma, fez o programado. Colocou dois jogadores abertos nas laterais (Murillo e Castillo) e um centralizado no ataque (Medina).
Foi nesse esquema, aliás, que o time colombiano fez um gol aos 25 minutos. Murillo recebeu em profundidade, driblou Julio Cesar e mandou para as redes. O juiz, porém, assinalou impedimento. Inexistente. Ele estava na mesma linha dos zagueiros. Pela continuidade da jogada, o atleta ainda levou cartão amarelo.
No geral, o Tolima foi melhor que o Corinthians na etapa inicial. Mas o Timão levou perigo em duas oportunidades. Duas vezes de cabeça. Primeiro com Ronaldo, aos 12 minutos, após cruzamento de Jucilei, e depois com Jorge Henrique, que aproveitou lançamento de Bruno César.
Não fosse o nervosismo...
Ronaldo na partida do Corinthians contra o Tolima (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)









Sob pressão da Fiel

“Raça, Timão, você é tradição”, gritava a Fiel. O retorno do Corinthians para o segundo tempo foi sob pressão. E o técnico Tite não fez alteração alguma, assim como o Deportes Tolima, do técnico Hernán Torres. Para piorar a desconfiança do torcedor alvinegro, Murillo quase marcou em chute cruzado, no primeiro minuto.


Roberto Carlos na partida do Corinthians contra o Tolima
Roberto Carlos: apagado no duelo desta quarta

(Foto: AP)
A equipe colombiana, aliás, aproveitou o nervosismo do Timão e foi para cima. O problema era que faltava qualidade no último passe. E por falar em passe, o Corinthians não conseguia se acertar nesse fundamento. Era erro atrás de erro. A prova de que havia algo errado era que Jorge Henrique se destacava no desarme.
Percebendo que a armação estava falha, o técnico Tite resolveu mudar aos dez minutos. Colocou Edno, que não conta com a simpatia da torcida, no lugar de Bruno César. Mas tudo dava errado. Aos 15, em chance na cobrança de falta, Roberto Carlos conseguiu acertar um companheiro. No rebote, Edno se atrapalhou.
Com o passar dos minutos, a impaciência do torcedor corintiano só aumentava. A cada lance errado, reclamações surgiam em vários pontos do estádio. A sorte do Timão foi que o Tolima tem um time bem limitado. Mas quem também parecia limitado era o Corinthians. Erros bobos e finalizações fracas davam o tom.
A partir dos 30 minutos, a Fiel acordou e começou a apoiar. Mas entre um lance e outro, a impaciência voltava a se fazer presente. E na base do “vamos que vamos”, da pressão, o Timão foi para cima nos minutos finais. Mas era tarde demais para acordar. Ao final do jogo, a insatisfação do torcedor ficou representada nas vaias.

Visão do Jogo por Bruno Martins
Olá amigos do Folhetim Cultural. Bem vamos falar o que de um jogo que o Corinthians deixou a desejar? A torcida cobrou mais raça afinal o próximo jogo será na casa dos Colombianos do Tolima, na próxima quarta feira e se apresentar o jogo que apresentou hoje, será muito difícil voltar para casa classificado. Poderia ter sido pior afinal o Tolima abriu o placar mas o juiz Enrique Osses do Chile anulou um gol legítimo do jogador Murilo que jogava aberto na lateral driblou Julio Cesar e mandou para a rede. O Corinthians apenas precisa de um empate por 1 a 1 para se garantir na próxima fase o jeito é esperar que o atacante Ronaldo não marque mais nenhuma sessão de twitcan um dia antes do jogo. O que dirá Datena amanhã no Jogo Aberto?
Fonte: Globo Esporte
Postagem: Bruno Martins







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo