7ª Mostra de Referências Teatrais terá atrações hoje e amanhã


A última semana da 7ª Mostra de Referências Teatrais terá atrações todos os dias. Os espetáculos teatrais já começam a ser encenados nesta segunda-feira (24/10), e são todos gratuitos. Às 13h, a praça João Pessoa, no Centro, recebe o segundo espetáculo de rua do evento: “Terra Papagalli”, com a Trupe Olho da Rua, de Santos.

Na terça-feira (25/10), às 20h, no Galpão das Artes, haverá o bate-papo “Teatro Periférico?”, com a Rede Livre Leste, o grupo teatral Pombas Urbanas e participação de grupos de teatro de Suzano e região. A participação é aberta a todos os interessados.

A mostra
Consolidada como um evento de destaque nas artes cênicas do Estado e do país, a 7ª Mostra de Referências Teatrais é promovida pela Prefeitura de Suzano e pela a Associação de Cultura e Cidadania Contadores de Mentira e conta com o patrocínio da Petrobrás. Como nos anos anteriores, o público pode conferir espetáculos legitimados e ver a atuação de artistas consagrados.

Iniciado em 16 de outubro, o evento segue até 30 de outubro, trazendo ao município 14 espetáculos teatrais, duas apresentações musicais, um show circense e um bate-papo voltado para grupos de teatro.

Como o próprio nome do evento já diz, a mostra tem o objetivo de trazer a Suzano o teatro que é referência no país, tanto para a formação de público como para a troca de experiências com artistas locais. Como todos os espetáculos são gratuitos, também é uma forma de democratizar o acesso à cultura e à arte no município.

Todos os espetáculos adultos apresentados no Galpão das Artes possuem classificação etária de 12 anos. Nos outros locais, a classificação é livre. Os ingressos devem ser retirados no local uma hora antes do espetáculo.

24/10 (segunda feira) – 13h – Praça João Pessoa
“Terra Papagalli”, com a Trupe Olho da Rua (de Santos)
Terra a vista!!!

Um espetáculo ao ar livre, na praça, um ritual festivo que narra a história de um paria quinhentista pai de nosso caráter, degredado de nossa história. É diante dessa aventura épica gastronômica que a Trupe Olho da Rua apresenta ”Terra Papagalli”, um romance de José Roberto Torero e Marcus Aurellius Pimenta, adaptado por Zeca Sampaio e a Trupe Olho da Rua. Uma “itinerância” com o ar de expedição teatral, percorrendo as terras que um dia foram dominadas por um certo Bacharel de Cananeia, também conhecido por Cosme Fernandes.

A escolha da montagem do texto “Terra Papagalli” se deu pela possibilidade de recontar e refazer a história da região de Santos, refletida na trajetória inicial da invasão portuguesa ao território que hoje chamamos de país, e promover uma reflexão sobre o berço da nossa colonização e seus fatores políticos e culturais, em contraponto a outros espetáculos ufanistas. A partir desse impulso, o grupo teatral subverteu o romance "Terra Papagalli” (1997). Da primeira leitura coletiva, se passaram quatro anos de idas e vindas, até a abordagem que culminou na montagem desse quase-espetáculo épico farsesco.

O espetáculo conta a história de um degredado do início do século XVI, tido como o primeiro rei do Brasil: o Bacharel de Cananéia. Encenado ao ar livre e com música ao vivo, o espetáculo estabelece um diálogo crítico com os valores éticos que percorrem nossa pátria mãe, do seu descobrimento aos dias de hoje.

A Trupe Olho da Rua é de Santos e tem por objetivos pesquisar, exercitar e difundir o teatro de rua, como opção de um coletivo criador de artistas dispostos a ganhar as ruas e criar um elo entre o fazedor e o cidadão. Em atividade desde 2002, o grupo possui dez espetáculos montados e costuma se apresentar em praças, parques e espaços públicos em geral, abordando linguagens do circo, farsa, épico e musical.

Partindo de experiências individuais, em que se destaca uma forte influência do universo do palhaço e uma referência musical que abarca tanto o canto como instrumentos melódicos e de percussão, o grupo montou um espetáculo de variedades, “Bufonarias”, em 2002, e iniciou a primeira edição da “Caravana pelo Mundaréu”, projeto de circulação mambembe que percorreu as cidades litorâneas de Paraty (RJ) até Cananéia (SP).

Em 2003, o grupo convidou Zeca Sampaio para escrever e dirigir um espetáculo cujo tema central fosse a guerra. Surgiu, então, “Prá Lá de Bagdá”. Em 2004, a trupe circulou com o espetáculo a 2ª Caravana pelo Mundaréu. Em 2005, estendeu a 3ª Caravana pelo Mundaréu, em parceria com a Oficina Cultural Regional Pagu, por meio do projeto “Caravana do Conhecimento-Interior na Praia”, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e Governo do Estado, além de apresentações em acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com parceria do grupo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Santos.

Durante este mesmo ano, o grupo iniciou o projeto Redemocratização dos Espaços
Públicos, que surgiu após uma série de discussões sobre sua trajetória, em que foram levantadas questões estéticas e sociais sobre o teatro de rua. No final de 2005, a Trupe Olho da Rua estreou o espetáculo “Brincadeiras de Arruar”, contemplado pelo Projeto Residência Cênica de Santos e Projeto Ademar Guerra, com orientação de Wanderley Piras. Em dezembro de 2005, estreou mais um espetáculo, com o intuito de criticar, ironizar e refletir sobre a festa natalina e o capitalismo que a envolve: “Auto dos Palhaços”, hoje com mais de 50 apresentações, com concepção artística da Trupe Olho da Rua e direção de Miguel Hernandez.

Em 2006, a trupe realizou a 4ª Caravana pelo Mundaréu, com o espetáculo “Brincadeiras de Arruar”. Como resultado paralelo de sua pesquisa, o grupo estreou mais um espetáculo, “Bufonarias II”, que serviu como fio condutor para o aprofundamento do universo do palhaço. Durante esse mesmo ano, o grupo se profissionalizou e ingressou na Cooperativa Paulista de Teatro. Participou, também, da V Mostra Rio-São Paulo de Teatro de Rua, em Paraty (RJ).

Em 2007, realizou a 5ª Caravana Pelo Mundaréu, apresentando os espetáculos de seu repertório, em uma parceria com a Prefeitura de Santos e apoio de empresas daquela região. Também apresentou o espetáculo "Bufonarias II", em Recife e Olinda (PE). No mesmo ano, estreou “Arrumadinho”, uma criação coletiva desenvolvida a partir de uma pesquisa teórica e estética, em busca de uma ampliação da linguagem cênica do grupo e de uma compreensão mais ampla de sua opção por uma prática teatral fora dos padrões convencionais do teatro.

Ficha técnica
Texto: “Terra Papagalli”
Autor: José Roberto Torero e Marcus Aurellius Pimenta
Adaptação: Zeca Sampaio e Trupe Olho da Rua
Orientação do temaZeca Sampaio
Direção: Caio Martinez Pacheco
Atores: Alan Plocki, Caio Martinez Pacheco, João Paulo Pires, João Luiz Pereira,
Raquel Rollo, Rogério Ramos e Sérgio Lima
Figurinos: Sergio Guerreiro
Assitentes de figurinos: Ana Maria Silva Guerreiro, Raquel Queiroz e Rose Diniz
Adereços: Márcia Alves e Iuri Guerreiro
Cenário: Trupe Olho da Rua
Sonoplastia: Trupe Olho da Rua
Músicas originais: Zeca Sampaio, Alan Plocki, Raquel Rollo, Sergio Argento e
Rogério Ramos
Preparação vocal: Priscilla Rodrigues Gonçalves (Wendy) e Guilherme Marino
Preparação corporal: Míriam Carbonaro
Produção: Raquel Rollo e Caio Martinez Pacheco
Iluminação: Deus
Participação especial: Bujarrona Road (Kombi 96)
Duração: 1h20

25/10 (terça) – 20h – Galpão das Artes
Bate-papo “Teatro Periférico?”
Com a Rede Livre Leste e o grupo teatral Pombas Urbanas, além dos grupos de teatro de Suzano e região.

25/10 (terça) – 20h – Galpão das Artes
“A Carne Exausta”
Cinco pequenos episódios cômicos e dramáticos falam de mulheres apaixonadas em uma metrópole às vésperas do feriado de Corpus Christi. Por trás dessas fábulas, as atrizes são desafiadas, assim como as personagens da peça, a se reinventarem.

Ficha técnica
Elenco: Erica Montanheiro, Juliana Mesquita e Ligia Yamaguti
Texto: Cássio Pires
Direção: Paulo Azevedo
Co-direção: Tatiana Caltabiano
Figurinos: Kleber Montanheiro
Vídeos: Pablo Pinheiro, Rene Brasil e Vinícius Vitti
Participações em vídeo:
O começo da alma: Daniela Galli, Rafael Maia, Ulisses Sakurai, Carol Badra, Juliana Sanches, Luiz Gustavo Jahjah, Pablo Rodrigues e Lívia Camargo
Os benefícios do tabaco: José Roberto Jardim
Iluminação: Sérgio Oliveira
Concepção cenográfica/trilha sonora: Paulo Azevedo
Produção de áudio: Rodrigo Nunes
Músicos “Medo de amar”: Fê Sztok e Luiz Vital
Preparação corporal e orientação de movimento: Nathalia Catharina
Treinamento em melodrama: Erica Montanheiro
Consultoria em viewpoints: Juliana Monteiro
Direção de produção: Erica Montanheiro
Produção executiva: Juliana Mesquita e Tatiana Caltabiano
Programação visual: Glaura Santos
Fotos: Luciana Dal Ri
Idealização: Erica Montanheiro, Juliana Mesquita e Ligia Yamaguti
Realização: Lolita Produções


Endereços:
Galpão das Artes: rua Nove de Julho, 267 – Centro
Praça João Pessoa: Centro

Fonte: SECOM Secretaria de Comunicação de Suzano
Postagem: Magno Oliveira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça um pouco mais sobre Carla Cristina Garcia ministrante da oficina cultural “A literatura e a moda: A estranha relação entre as palavras e o corpo”

REUNIÃO DO CONSELHO DE CULTURA DE POÁ SERÁ DIA 19

No Café da Manhã com Poesia: Uma pequena crônica de uma manhã de domingo